Comitê Bancário do Senado dos EUA aprova indicações para conselho do Fed

O conselho do Federal Reserve tem tido papel importante no combate à recessão provocada pela pandemia

Estadão Conteúdo

Publicidade

Uma controversa indicada do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, superou uma importante etapa para buscar a confirmação de seu nome para o conselho do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

O Comitê Bancário do Senado americano aprovou o nome de Judy Shelton, assessora econômica da campanha presidencial de Trump em 2016, para o conselho do Fed, com o apoio do Partido Republicano, mesmo diante de objeções do Partido Democrata.

Agora, Shelton depende do aval em votação do pleno do Senado. O Comitê Bancário do Senado também votou para avançar com a nomeação do diretor de pesquisas do Fed de St. Louis, Christopher Waller, para preencher a vaga disponível no conselho de sete membros do Fed em Washington, e ele também dependerá do voto de todo o Senado agora.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O conselho do Fed tem tido papel importante no combate à recessão provocada pela pandemia. O mais abrangente Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), que inclui os diretores e mais cinco presidentes de distritais do Fed, vota nas decisões de política monetária. Mas é o conselho que decide sobre os programas de empréstimo emergencial que o Fed criou para emprestar a companhias, Estados e cidades desde o início da crise.

Shelton tem sido uma defensora há tempos da volta do padrão ouro, que limitaria a capacidade do Fed de influenciar a inflação e o emprego, e admite que suas visões estão fora do mainstream da economia atual. Ela também apoiava os pedidos de Trump por juros mais baixos, após ter criticado anteriormente o BC por considerar que ele havia mantido os juros muito baixos durante o governo do ex-presidente Barack Obama.

Após a audiência de confirmação dela no Comitê Bancário em fevereiro, três senadores republicanos – Pat Toomey, Richard Shelby e John Kennedy – haviam expressado dúvidas sobre se Shelton tinha condições de ocupar o posto.