Comissão Europeia aprova acordo de imposto mínimo para empresas multinacionais

Alíquota mínima de 15% vai incidir em empresas e grupos com receita combinada maior do que 750 milhões de euros por ano

Estadão Conteúdo

Publicidade

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia (UE), aprovou nesta terça-feira (13) um acordo definindo taxas “mínimas e efetivas” para grandes grupos multinacionais, como primeiro passo para implementação da reforma tributária da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE). “Uma vez implementado, este acordo trará justiça, transparência e estabilidade para o quadro fiscal corporativo internacional”, anunciou a Comissão.

Conforme o comunicado, a Diretiva do Conselho inclui um conjunto de regras sobre como calcular a alíquota mínima efetiva de 15%, de forma consistente para aplicação em toda a UE, para empresas multinacionais e grupos empresariais domésticos de larga escala, desde que a receita financeira combinada seja maior do que 750 milhões de euros por ano.

“Os impostos serão aplicados a qualquer grande grupo, tanto nacional como internacional, com uma empresa matriz ou uma filial situada em países da UE. Se a taxa mínima efetiva não for imposta pelo país onde a empresa subsidiária está sediada, existem disposições para que o país da matriz aplique um imposto ‘top-up’“, relata a Comissão Europeia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As novas regras devem entrar em vigor a partir de 31 de dezembro de 2023 por meio dos Estados membros da UE, de acordo com o comunicado.