Com inflação surpreendentemente alta, bancos centrais do mundo todo ainda não sabem como agir

Nos EUA e na Europa, a inflação subjacente ainda está em torno de 5% ou mais, mesmo com os preços de energia e alimentos caindo

Estadão Conteúdo

Publicidade

Os bancos centrais do mundo subestimaram a inflação no ano passado e agora tentam não repetir o erro. Em países ricos, os banqueiros centrais estão elevando acentuadamente as previsões de inflação, apontando novos aumentos nas taxas de juros e alertando os investidores de que as taxas de juros permanecerão altas por algum tempo. Alguns colocaram de lado planos para manter as taxas de juros inalteradas.

Com aproximadamente um ano de campanha contra a alta inflação, os formuladores de políticas estão longe de declarar vitória. Nos EUA e na Europa, a inflação subjacente ainda está em torno de 5% ou mais, mesmo com os preços de energia e alimentos caindo. Em ambos os lados do Atlântico, o crescimento salarial estabilizou-se em níveis elevados e mostra poucos sinais de declínios constantes.

De fato, o impacto dos aumentos agressivos das taxas de juros do ano passado parece estar diminuindo em alguns lugares, com sinais de que os mercados imobiliários estão se estabilizando e o desemprego está retomando seu declínio. O crescimento diminuiu na zona do euro, que entrou em recessão técnica, mas o bloco econômico ainda criou quase um milhão de novos empregos nos primeiros três meses do ano, enquanto a economia dos EUA criou recentemente cerca de 300.000 empregos por mês. Canadá, Suécia, Japão e Reino Unido contornaram as recessões depois que o crescimento se recuperou inesperadamente. Pesquisas de negócios sugerem uma perspectiva relativamente otimista.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tudo isso coloca os principais bancos centrais em uma situação complicada. Eles precisam decidir se a inflação estagnou muito acima de sua meta de 2%, o que pode exigir taxas de juros muito mais altas para ser corrigida, ou se o declínio da inflação está apenas atrasado.

Na semana passada, o Federal Reserve manteve as taxas de juros estáveis, mas sinalizou mais dois aumentos este ano, o que elevaria as taxas dos EUA à maior alta em 22 anos. A inflação de preços nos principais serviços excluindo habitação, um indicador observado de perto das pressões de preços subjacentes, “permanece elevada e não mostra sinais de flexibilização”, escreveu o Fed em seu relatório semestral de política monetária na semana passada.

Os bancos centrais da Austrália e do Canadá surpreenderam recentemente os investidores com aumentos nas taxas de juros, este último após uma pausa de meses. O Banco Central Europeu aumentou na semana passada as taxas de juros em um quarto de ponto percentual e indicou que continuará a elevá-las pelo menos até o verão. “Não estamos pensando em fazer uma pausa”, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde.

Continua depois da publicidade

O Banco da Inglaterra mostrou-se disposto a interromper sua longa série de aumentos de taxas de juros desde o início do ano, mas agora espera-se que aumente sua taxa básica de juros pela 13ª vez consecutiva esta semana, já que o crescimento dos salários e dos preços ao consumidor se mostram ainda consistentes. Os investidores antecipam mais cinco aumentos de taxas que levariam a taxa básica do banco para 5,75%.

Outras considerações, no entanto, sugerem que a inflação pode permanecer rígida. Algumas autoridades do Fed acreditam que as taxas de juros estão atingindo a economia mais rapidamente do que no passado, o que significa que aumentos anteriores podem já ter funcionado no sistema – e ainda mais são necessários. A velocidade com que as taxas atingem os sistemas está maior porque os banqueiros centrais agora declaram claramente o que estão fazendo e o que pretendem fazer no futuro, permitindo que os investidores reajam imediatamente, argumentou o diretor do Fed, Cristopher Waller, na sexta-feira.

Por enquanto, os investidores parecem duvidar do tom hawkish emanado dos bancos centrais. Os mercados de ações são resilientes em ambos os lados do Atlântico, e os investidores estão precificando cortes nas taxas de juros nos EUA e na Europa no próximo ano. Isso pode ser um erro, de acordo com alguns economistas. Fonte: Dow Jones Newswires