Citação de riscos fiscais e horizonte relevante ampliado foram as novidades do do Copom, dizem analistas

Especialistas acreditam que BC fez alusão à crise no Reino Unido para alertar sobre riscos de expansão fiscal no Brasil em 2023

Roberto de Lira

Publicidade

O maior peso dado a 2024 no horizonte relevante para a política monetária e o alerta sobre a maior sensibilidade dos mercados aos fundamentos fiscais, inclusive em países avançados, foram as duas maiores mudanças no comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) que chamaram a atenção dos analistas. O Copom manteve os juros em 13,75% ao ano nesta quarta-feira (26) e destacou que segue vigilante com relação à inflação.

Em entrevista ao canal do InfoMoney, a economista chefe da Armor, Andrea Bastos Danico, disse acreditar que o Banco Central aproveitou a crise nos mercados de câmbio e dívida no Reino Unido – após um criticado plano de corte de gastos – para passar um recado para o Brasil, que vive um período eleitoral que mostra riscos de expansão fiscal. Para ela, foi uma espécie de aviso: “não faz igual, olha as consequências”.

Luca Mercadante, economista da Rio Bravo, concorda com essa visão. “Neste contexto de eleição, mostra um BC também vigilante com a política fiscal de um novo governo. Em virtude desse comentário dá para considerar o comunicado ligeiramente ‘hawkish’”, afirmou.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Patrícia Pereira, estrategista-chefe da MAG Investimentos, também avaliou que essa citação do quadro externo foi a única mudança relevante do comunicado em relação à reunião de setembro. “Foi um aviso de como isso pode ser danoso para países emergentes”, afirmou.

As duas especialistas da Armor e da MAG têm uma visão semelhante sobre o quadro atual para a inflação, que mostra alguma descompressão nos núcleos e também nos preços de serviços. Mas elas divergem sobre o momento no qual o B deve começar a cortar os juros.

Para Andrea, isso pode acontecer na passagem do primeiro para o segundo trimestre de 2023, por conta de o horizonte relevante para a política monetária começar a observar apenas 2024. Patrícia, no entanto, acredita que os juros só devem cair no segundo semestre, por conta dos problemas no exterior, que está com inflação ainda alta e uma possível necessidade de juros mais altos por um prazo mais longo. “Isso vai trazer volatilidade para os emergentes, advertiu.

Continua depois da publicidade

Olhando para a frente

O analista de renda fixa da Suno Research, Vinicius Romano, destacou o trecho do comunicado onde o Copom deixa claro seu objetivo de não apenas consolidar o processo de desinflação, mas também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas no horizonte relevante, que é de seis trimestres à frente.

O peso maior dado a 2024 no horizonte relevante de política monetária foi uma das “novidades” do comunicado, segundo Romano. Outras “pequenas mudanças” citadas por ele são a “maior sensibilidade” dos mercados em relação a fundamentos fiscais, inclusive em países avançados, e o comentário que a atividade econômica brasileira sinalizou ritmo mais moderado de crescimento. No último o comitê, lembrou Romano, o Copom citava ritmo “acima do esperado”.

Para Mirella Hirakawa, economista da AZ Quest, a opção pelo horizonte relevante móvel de 18 meses mostra uma previsão ancorada. Para ela, o comunicado foi um pode ser considerado um pouco mais “dovish” que o anterior.

Para Rafaela Vitória, economista chefe do Banco Inter, a mensagem dura de que o Comitê “não hesitará em retomar o ciclo de ajuste caso o processo de desinflação não transcorra como esperado” não deve se concretizar, devido ao cenário de queda da inflação. “Só mesmo se o fiscal em 2023 não colaborar”, alertou, em sua conta no Twitter.

Idean Alves, sócio e chefe da mesa de operações da Ação Brasil, disse que o Copom seguiu a expectativa do mercado e trabalha com um cenário base que engloba muitas incertezas no radar, dentre as quais a desaceleração da atividade econômica global, a queda dos preços das commodities internacionais em real, e o risco de “efeito rebote” dos impostos “represados” em 2022.

Leia mais: Como investir na renda fixa com Selic de 13,75% às vésperas da eleição? Pós-fixados sim, prefixados talvez

“Vigilância é a palavra de ordem para o Comitê, de que o a taxa mantida não exclui a possibilidade de novas altas caso o processo de desinflação não caminhe como o esperado, e essa mensagem é fundamental para o mercado”, disse. Esse tom vigilante também foi destacado por Roberto Padovani, economista chefe do Banco BV.

Leonardo Costa, economista da ASA Investments, citou uma outra novidade no comunicado, que foi a mudança nas projeções de inflação do Copom para 2023 (4,8%) e 2024 (2,9%) e para os administrados de 9,4%, para 2023, e 3,8%, para 2024. Isso pode ser uma mudança na previsão sobre o juro neutro, embora modesta”, comentou.