China bate recorde de infecções por covid-19; cidade de Zhengzhou fará bloqueio de cinco dias

Novo surto de covid-19 ocorreu depois que governo ajustou sua política rigorosa de covid-zero; Hong Kong também vê casos crescerem

Roberto de Lira

Coronavírus (Getty Images)

Publicidade

O registro oficial de infecções diárias por covid-19 na China bateu recorde nesta quinta-feira (24), com a confirmação de 31.444 caos. A contagem ultrapassou o pico anterior verificado em meados de abril, de 29 mil infecções, quando Xangai estava sob forte bloqueio sanitário.

Até o momento, as autoridades dos distrito e cidades tentam equilibrar sua resposta contra o novo surto, sem impor medidas consideradas excessivas. Segundo o último relatório da Comissão Nacional de Saúde, Pequim teve 1.648 novos casos nesta quinta-feira. A capital chinesa registrou três mortes no final de semana, oficialmente as primeiras vítimas em seis meses.

Pequim não impôs ainda um bloqueio rígido, mas o China Morning Post informou que cada vez mais prédios e áreas residenciais estão sendo fechados pela alta nas infecções. A cidade elevou a exigência de testes de PCR negativo de 72 horas para 48 horas para viajantes e acesso a prédio públicos. Escolas adotaram aulas online, parques, museus e shoppings foram fechados e os moradores são incentivados a ficar em casa.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Enquanto isso, a cidade de Zhengzhou anunciou que vai iniciar um bloqueio de cinco dias a partir de sexta-feira para reduzir o número de casos, após protestos de trabalhadores da Foxconn na linha de montagem da Apple que ocorreram ontem.

A nova onda de infecções por covid-19 ocorreu depois que a liderança do Partido Comunista Chinês ajustou sua política rigorosa de covid-zero, reduzindo o tempo de quarentena, flexibilizando regras para viajantes e reduzindo o rastreamento de pessoas. Tudo para evitar mais prejuízo à economia e conter a insatisfação da população.

Hong Kong

Enquanto isso, os novos casos superam a marca de 9.000 em Hong Kong pela primeira vez em mais de 2 meses. O número de pacientes infectados em estado grave ou crítico também aumentou de 90 na semana passada para mais de 100 recentemente. Foram registradas mais 13 mortes relacionadas ao vírus, segundo o último boletim.

Continua depois da publicidade

Desde o início da pandemia, Hong Kong contabiliza 2,068 milhões de casos, com 10.647 mortes relacionadas.

O governo local anunciou que o primeiro lote da vacina BioNTech visando o combate à variante Omicron chegará nos próximos dias.

O Departamento de Lazer e Serviços Culturais anunciou na quarta-feira que o Centro Esportivo Tsuen Wan West e o Centro Esportivo Lung Sum Avenue serão transformados em centros comunitários de quarentena, fornecendo 119 e 128 leitos, respectivamente. Além disso, a partir de 2 de dezembro, o Choi Wing Road Sports Center fornecerá 144 leitos para pacientes idosos com covid-19 assintomáticos ou com sintomas leves.