Chefe de investimentos de Yale, David Swensen morre aos 67 anos

Gestor do fundo patrimonial da Universidade de Yale, Swensen revolucionou a indústria de investimento institucional

Equipe InfoMoney

(Reprodução)

Publicidade

SÃO PAULO – David Swensen, chefe de investimentos da Universidade de Yale e responsável pelo fundo patrimonial (endowment) da instituição, morreu ontem aos 67 anos, após uma longa batalha contra o câncer.

Escritor de livros como “Pioneering Portfolio Management” (Desbravando a Gestão de Portfólios, na versão em português), Swensen é considerado pelo mercado um “guru” dos investimentos, ao inspirar toda uma geração de investidores com sua abordagem de alocação que ficou conhecida como o “Modelo de Yale”, e que hoje é padrão para diversas instituições de ensino e fundações nos Estados Unidos.

O “Modelo de Yale” consiste em ter uma carteira diversificada, alocando em ativos pouco líquidos, sempre com foco no longo prazo, de forma a gerar retornos mais consistentes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Depois de receber seu PhD em economia pela Yale, em 1980, David trabalhou no banco Salomon Brothers e depois para o Lehman Brothers, antes de retornar à universidade, em 1985, para liderar o escritório de investimentos da instituição.

Em junho de 2020, o endowment de Yale administrava cerca de US$ 31,2 bilhões e apresentava retorno anual de 12,4% nas últimas três décadas. Segundo a instituição, no ano fiscal de 2021, suas contribuições representavam mais de um terço das receitas totais da universidade.

“Sob sua direção, o endowment de Yale trouxe retornos que estabeleceram ele como uma lenda entre investidores institucionais”, escreveu o presidente de Yale, Peter Salovey, em nota.

Continua depois da publicidade

No fundo, quase um quarto está em venture capital e, combinado com private equity, hedge funds e com o mercado imobiliário, esses investimentos alternativos representam quase três quartos do total investido. Bonds (títulos do governo) e ações americanas respondem por menos de 10% da carteira.