Campos Neto diz que inflação global desacelera, mas que serviços inspiram cautela

Para ele, é preciso observar fatores como a dinâmica de inflação nos EUA, o momento econômico da China, a divisão global e a dinâmica de um mundo muito mais endividado após a pandemia

Roberto de Lira

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Publicidade

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira (56) que as taxas de inflação global estão em processo de desaceleração, muito puxada pela queda dos preços de alimentos e energia, mas que os núcleos de preços nas maiores economias ainda estão em patamares muito altos, especialmente por conta dos serviços pressionados.

Em evento em São Paulo, o presidente da autoridade monetária ponderou que, no que Basil e em outros países da América Latina, esses núcleos estão mais baixos do que em períodos recentes. “De fato, as inflações de serviços estão rodando a níveis muito altos. Em alguns emergentes, os serviços já estão abaixo de padrões históricos”, comparou.

Campos Neto afirmou que há quatro grandes temas dentro do debate global de inflação: a dinâmica de inflação nos EUA, o momento econômico da China, a realidade e de divisão global e a dinâmica de um mundo muito mais endividado após a pandemia (com as taxas de juros ainda muito altas. Sobre esse último fator, ele citou que a dívida dos países está em torno de 20% do PIB, com um custo de rolagem enorme, que já está contaminando o mercado de crédito privado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sobre a inflação no Brasil, o comportamento tem sido mais ou menos de acordo com o esperado pelo BC, disse Campos Neto, citando a convergência da taxa em direção à meta. A recente alta marginal no núcleo de serviços, segundo ele, foi concentrada em passagens aéreas e emplacamento de carros novos. “Mas está dentro do que a gente tinha programado em termos de trajetória”, ponderou.

Campos Neto disse ainda que o mercado de trabalho aquecido tem sido observado de perto pelo BC e que a equipe identificou um repique de preços em áreas onde o trabalho é mais intensivo. A massa salarial, citou, está subindo entre 5% e 5,5%.

O presidente do BC também afirmou que a inflação implícita longa está caindo, o que mostra que há uma percepção menor de risco por parte do mercado quanto a mudança de direção do BC no ano. “A gente vê uma inflação mais longa equilibrada em temos de expectativa”, reforçou.