Campos Neto diz que dados recentes são positivos e inflação no país está convergindo para meta

Na apresentação, Campos Neto voltou a destacar incertezas do ambiente internacional

Reuters

Homenagem ao 106° Aniversário de Nascimento do Economista e ex-Deputado Federal Roberto de Oliveira Campos (1917 – 2001). Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. (Foto: Agência Câmara)

Publicidade

BRASÍLIA (Reuters) -O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta terça-feira que os dados mais recentes de inflação foram bons e que os números estão convergindo para as metas.

“A gente vê uma convergência, já com uma possibilidade grande de, em 2023 e 2024, estar dentro da meta”, afirmou em evento da consultoria Arko Advice.

O mais recente boletim Focus do Banco Central, que capta projeções de agentes de mercado, aponta para uma inflação de 4,55% neste ano e de 3,91% em 2024 — as metas são de 3,25% e 3,0%, respectivamente, com tolerância de 1,5 ponto percentual.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O IBGE mostrou neste mês que a alta do IPCA teve leve desaceleração em outubro e ficou abaixo da esperada.

Campos Neto destacou que o núcleo da inflação do setor de serviços mostrou um comportamento positivo nos dados recentes.

Ele ponderou, no entanto, que aumentos de ICMS anunciados por Estados terão impacto sobre a inflação, podendo elevar o IPCA em 0,1 ou 0,2 ponto percentual.

Continua depois da publicidade

Nesta terça, Estados do Sul e Sudeste anunciaram que decidiram aumentar a alíquota do ICMS, argumentando que o movimento é necessário para que não sejam prejudicados na distribuição de recursos após a entrada em vigor da reforma tributária sobre o consumo, prestes a ter sua aprovação concluída no Congresso.

O presidente do BC ressaltou que o crescimento potencial da economia brasileira parece estar um pouco maior, o que é uma boa notícia, mas destacou que a questão fiscal é “grande desafio” do país.

Enfatizando a importância do arcabouço aprovado este ano para as contas públicas, ele disse que as novas regras fiscais têm ajudado o BC no processo de queda dos juros.

Na apresentação, Campos Neto voltou a destacar incertezas do ambiente internacional, reafirmando que o aumento nos juros de longo prazo em economias avançadas tende a sugar recursos de emergentes. Por isso, para ele, os países em desenvolvimento precisam “fazer o dever de casa melhor”.

Ele disse ainda que a desinflação no mundo não virá de uma elevação do desemprego ou uma queda de salários, ao afirmar que o mercado de trabalho está apertado globalmente mesmo com as altas de juros.