Campos Neto cita expectativas, prêmio de risco e percepção fiscal ao justificar Copom

Presidente do BC disse que, num debate sobre o trabalho do BC, não deveria se falar em banda de tolerância para a meta de inflação, reforçando que o alvo é 3% e precisa ser perseguido

Reuters

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - 15/02/2023 (Reuters/Adriano Machado)

Publicidade


Brasília (Reuters) – O Comitê de Política Monetária (Copom) observou em sua última reunião piora em expectativas de inflação, prêmio de risco e percepção fiscal, disse nesta quarta-feira (15) o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, ao justificar a decisão da autarquia de reduzir o ritmo de afrouxamento monetário.

Falando em conferência do Banco Central, Campos Neto afirmou que a discussão foi centrada em argumentos técnicos, colocando “extrema relevância” na desancoragem das expectativas.

Ele disse que, num debate sobre o trabalho do BC, não deveria se falar em banda de tolerância para a meta de inflação, reforçando que o alvo é 3% e precisa ser perseguido.