BC do Japão mantém taxa de juros inalterada, como previsto

A taxa de curto prazo para depósitos foi mantida em -0,1% e a meta do rendimento do título público local de 10 anos continuou em cerca de 0%

Estadão Conteúdo

(Getty Images)
gráfico índices japão ações iene
(Getty Images)

Publicidade

O Banco do Japão (BJ) decidiu manter as características de sua política monetária acomodatícia inalteradas, como era esperado por analistas, após concluir sua última reunião do ano nesta terça-feira (19). O banco central japonês informou em comunicado que manteve a taxa de curto prazo para depósitos em -0,1% e a meta do rendimento do título público local (JGB) de 10 anos em cerca de 0%.

A autoridade monetária também afirmou que 1% continuará sendo o “ponto de referência” para o teto do juro do JGB de 10 anos, embora não um limite concreto.

Além disso, o BoJ manteve o teto anual para compras de fundos de índice de ações (ETFs) em 12 trilhões de ienes (cerca de US$ 83,6 bilhões).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ainda no comunicado, o BoJ reafirmou a avaliação de que a economia do Japão tem se recuperado moderadamente e que, por enquanto, deverá continuar se comportando assim.

Paciência

O presidente do BoJ, Kazuo Ueda, afirmou que a instituição irá “pacientemente” manter o relaxamento monetário. Durante entrevista coletiva após o anúncio sobre os juros, ele disse ser “improvável” que o BC sinalize já no próximo mês que pretende elevar os juros.

O BoJ ressaltou o quadro de “incertezas extremamente elevadas”, em seu comunicado de hoje, o que justificaria a paciência na condução da política monetária.

Continua depois da publicidade

Ueda disse que o BoJ se move com constância para atingir a meta de inflação de 2%, mas advertiu que “é ainda necessário garantir que o ciclo virtuoso de salários e preços irá se fortalecer adiante”.

Ele também comentou que os cortes de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), previstos para o ano que vem, podem afetar a economia e a taxa de câmbio no Japão. Ao mesmo tempo, acrescentou que considera “inapropriado” apressar mudanças na política do BoJ apenas porque o Fed deve reduzir seus juros.

(Com informações da Dow Jones Newswires)