Barkin, do Fed de Richmond, diz que pouso suave é possível, mas não é garantido

Dirigente alerta que inflação de serviços permanece elevada e que, se crescimento acima da tendência persistir, pode atrasar o pouso da economia

Estadão Conteúdo

Publicidade

O presidente do Federal Reserve (Fed) de Richmond, Tom Barkin, afirmou nesta quarta-feira (3) que um cenário de pouso suave na economia dos Estados Unidos é “cada vez mais possível”, mas não é garantido.

Segundo ele, quatro riscos centrais ainda rondam a economia americana e podem eventualmente exigir ações de política monetária.

Barkin alerta que a economia pode, por exemplo, perder o impulso visto em 2023, à medida que os efeitos das condições financeiras sejam transmitidos, ou ser abalada por turbulências inesperadas, como eventos geopolíticos ou estresses financeiros. O contrário também seria um risco, caso o crescimento acima da tendência persista e atrase o pouso da economia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Além disso, o dirigente nota que a inflação poderia persistir acima da meta de 2% ou baixar apenas no que se refere à bens, o que dificultaria o trabalho do BC americano.

“A inflação de serviços permanece elevada e temo que mais precisa acontecer para reduzir a demanda, seja de forma orgânica ou por meio de ação do Fed, para convencer negócios a reduzir preços”, pontuou, em discurso preparado para evento da Câmara Municipal de Raleigh.

Deste modo, Barkin não descarta “potenciais aumentos nas taxas de juros” e defende que é “inaceitável” alterar a meta de inflação – por exemplo, para 3% – até que o banco central consiga reduzir os preços para o objetivo atual.

Continua depois da publicidade

De acordo com ele, isto é crucial manter a credibilidade do BC americano e os dirigentes farão “o que for necessário para retornar inflação à 2%”.

“É importante ressaltar que não tomaremos decisões de modo automático, seguiremos dependentes de dados”, concluiu o dirigente, que vota nas reuniões monetárias do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) deste ano.