Banco Mundial diz que juros reais devem permanecer elevados em economias avançadas

Relatório da instituição diz que efeitos do aperto monetário sobre o crescimento das maiores economias globais deverá chegar ao pico em 2024

Estadão Conteúdo

Publicidade

O aperto monetário em economias avançadas está chegando ao fim, mas as taxas de juros reais poderão permanecer elevadas por um período prolongado, à medida que a inflação retorna à meta apenas gradualmente. A projeção é do Banco Mundial, que afirma que essa configuração deverá manter restritiva a postura da política monetária dessas economias no curto prazo.

A instituição acredita que os efeitos do aperto monetário sobre o crescimento das maiores economias globais deverá chegar ao pico em 2024.

Em relatório publicado nesta terça-feira (9), a instituição observa que os rendimentos dos títulos de dívida pública de economias avançadas permanecem altos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Banco Mundial diz que, apesar de terem recuado das máximas plurianuais atingidas em outubro de 2023, os retornos permanecem em níveis suficientemente altos para exercer pressão sobre o custo do capital para governos e empresas, à medida que as dívidas são roladas.

A recente valorização dos yields de economias avançadas reflete tanto as perspectivas de política monetária quanto a volatilidade nos prêmios de prazo, segundo o documento.

Emergentes

Já sobre mercados emergentes e economias em desenvolvimento (EMDEs, na sigla em inglês), a instituição pondera que o ciclo de relaxamento monetário poderá ser contido pela diminuição nos diferenciais de juros em relação às economias avançadas.

Continua depois da publicidade

A aproximação entre os níveis dos juros poderia elevar os riscos de saída de capital e de depreciação cambial para os emergentes.

“É, portanto, necessária uma atenção cuidadosa aos riscos para garantir que a política monetária apoie o crescimento sustentável, ajudando ao mesmo tempo a reduzir de forma duradoura a inflação e a manter a estabilidade financeira, especialmente nos EMDEs com grandes déficits fiscais e em conta corrente”, defende o Banco Mundial.