Presidente do BC diz que instituição tem arsenal para combater crise e aponta diferenças com 2008

O BC anunciou nesta segunda-feira a redução da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo de 25% para 17%

Equipe InfoMoney

Publicidade

SÃO PAULO – O Banco Central realizou coletiva virtual nesta segunda-feira (23) sobre as medidas de combate aos efeitos do coronavírus na economia brasileira.

O presidente do BC destacou que o ambiente precisa de taxa estimulativa, conforme foi ressaltado na própria ata do Comitê de Política Monetária (Copom), mas destacou que que o ambiente estimulativo não é refletido só na Selic, mas sim como nas medidas anunciadas nesta segunda-feira.

Campos Neto apontou que o BC está tranquilo em relação ao que o País atravessa e que tem arsenal para combater crise. O presidente ainda destacou que podem ser anunciadas novas liberações de compulsório.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O BC está absolutamente tranquilo e o sistema financeiro nacional vai funcionar perfeitamente”, acrescentou, destacando que a instituição está disponível para prover o incentivo que for necessário. Campos Neto frisou que gostaria de passar a tranquilidade de que o BC está atento e focado e entende quais são os instrumentos para atuar em cada momento.

Ele ainda apontou que o BC tem poder de intervenção muito amplo no câmbio e, ao abordar as condições do sistema financeiro, destacou que há situação confortável com relação à cobertura de ativos problemáticos, além de folga no índice de capital e de liquidez das instituições. “Temos sistema bem provisionado, com boa liquidez”, avaliou.

Ao ser questionado sobre a diferença da crise atual com a de 2008, Campos Neto apontou que a de 12 anos atrás começou pela alta alavancagem e afetou a percepção do sistema financeiro como um todo, afetando a economia real pela parte de concessão de crédito.

Continua depois da publicidade

Já em 2020, a crise vem da economia real, com efeitos nas cadeiras da indústria, bens e serviços, com parte do comércio sendo afetada, mostrando o impacto que o distanciamento social está fazendo com as cadeias de produção. Contudo, o sistema bancário é mais sólido.

Anúncios desta segunda-feira

Vale destacar que o BC anunciou nesta segunda-feira a redução da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo de 25% para 17%.

“Temporária, a medida tem o objetivo de aumentar a liquidez do Sistema Financeiro Nacional”, destaca o BC em comunicado.

Segundo a autoridade monetária, a decisão faz parte do conjunto de ações adotadas pelo BC para minimizar os efeitos do coronavírus (Covid-19) sobre a economia brasileira.

“A estimativa é que a mudança resulte numa liberação de R$ 68 bilhões a partir do dia 30 de março. Em 14 de dezembro, caso a economia tenha atravessado a pandemia do Covid-19, a alíquota do compulsório sobre recursos a prazo será recomposta ao patamar anterior de 25%, reforça a instituição.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) ainda autorizou o Banco Central a conceder empréstimos a instituições financeiras garantidos em debêntures adquiridas entre 23 de março e 30 de abril de 2020. Trata-se de uma Linha Temporária Especial de Liquidez (LTEL).

O objetivo da linha é prover liquidez ao mercado secundário de dívida corporativa, fortemente afetado pela recente turbulência verificada nos mercados financeiros internacional e nacional, fruto dos reflexos da propagação do coronavírus.

Além das debêntures, o BC manterá, como garantia adicional, os recolhimentos compulsórios do banco no mesmo montante da operação.

“Com a medida, o BC espera aumentar a liquidez no mercado secundário de dívida privada, minimizando os efeitos da crise sobre o mercado de capitais. A adoção de linhas especiais de liquidez lastreadas em títulos de dívida privada vem sendo um instrumento amplamente usado pelos principais BCs do mundo em reposta à crise provocada pela propagação do Coronavírus (Covid-19), dentro de seus arcabouços e competência”, destaca em comunicado a autoridade monetária.

Além disso, para reforçar a capacidade de resposta ao regular funcionamento do Sistema Financeiro Nacional, o CMN aprovou a Resolução nº 4.785, que autoriza a captação Depósito a Prazo com Garantia Especial do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

“Conhecido no mercado como DPGE1, essa modalidade de depósito a prazo é garantida pelo FGC até o limite de R$ 20 milhões por titular e foi um instrumento utilizado com sucesso para da liquidez ao mercado no momento de stress provocado pelos efeitos da crise mundial de 2008 no Brasil”, destaca o BC.

O DPGE1 deve ter valor mínimo de emissão de R$ 1 milhão, e prever prazo mínimo de doze meses e máximo de vinte e quatro meses, sendo vedado o resgate antecipado.

As instituições estão autorizadas a captar em DEPG1 o valor equivalente ao seu patrimônio líquido, limitado a R$ 2 bilhões por conglomerado, e as emissões poderão ocorrer até o início de 2022.

“Para fazer jus à garantia especial, as instituições devem recolher ao FGC contribuição mensal equivalente a 0,03% do saldo captado. Caso a instituição emitente ofereça contragarantias ao FGC na captação, operação conhecida como DPGE2, a contribuição especial é reduzida para 0,02%”, destaca a instituição.

A resolução também modifica a metodologia de cálculo da contribuição adicional das instituições associadas ao FGC, criada no ano passado, de forma a excluir as captações pulverizadas (até R$ 5 mil) do saldo sujeito à contribuição adicional, e prorroga a data de início da sua incidência para julho de 2021.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!