Ata do Fomc: diretores do Fed mostraram preocupação em cortar juros muito cedo

Embora a maioria dos participantes tenha citado riscos de agir demasiado rapidamente para aliviar a postura da política, apenas alguns apontaram para riscos descendentes para a economia, mostrou o texto

Reuters

Sede do Federal Reserve (Fed), o banco central dos EUA

Publicidade

A última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) teve um tom de preocupação com os riscos de cortar as taxas de juros demasiado cedo, com uma forte incerteza sobre quanto tempo os custos dos empréstimos deverão permanecer no seu nível atual, segundo a ata do encontro realizado entre 30 e 31 de janeiro, divulgada nesta quarta-feira (21).

“Os participantes destacaram a incerteza associada a quanto tempo uma postura restritiva da política monetária precisaria ser mantida” para retornar a inflação à meta de 2% do Fed, diz a ata.

Embora “a maioria dos participantes tenha notado os riscos de agir demasiado rapidamente para aliviar a postura da política”, apenas alguns “apontaram para riscos descendentes para a economia associados à manutenção de uma postura excessivamente restritiva durante demasiado tempo”, mostra o texto.

Continua depois da publicidade

Os diretores “em geral” concordaram que precisavam de “maior confiança” na queda da inflação antes de considerarem cortar as taxas, diz a ata, numa linguagem que pareceu enfatizar uma abordagem cuidadosa e talvez mais lenta nos cortes das taxas, que os participantes do mercado esperam agora começar em junho.

“Alguns participantes” citaram o risco de que o progresso na inflação possa estagnar completamente se a economia continuar a ter um desempenho tão forte como tem feito, diz a ata.

Na sua reunião de janeiro, o Fed manteve a sua taxa de juro de referência estável no intervalo entre 5,25% e 5,50%, definida em julho, e abriu a porta para cortes nas taxas apenas quando os decisores políticos “ganharem maior confiança de que a inflação está evoluindo de forma sustentável”.

O presidente do Fed, Jerome Powell, na sua conferência de imprensa em 31 de janeiro, descartou essencialmente um corte nas taxas na reunião de 19 a 20 de março, e a ata sugere que não foi uma decisão particularmente difícil.

Os dados divulgados após a última reunião do Fed mostraram um crescimento do emprego e uma inflação mais fortes do que o esperado em janeiro. Embora esses relatórios não tenham mudado a visão geral entre os decisores da política de que a inflação continuará a cair este ano, pouco fizeram para aumentar a “confiança” que os diretores desejam antes de aliviarem a política monetária restritiva utilizada para combater o pior surto de inflação desde a década de 1980.

Entretanto, os funcionários do Fed tomaram nota de uma variedade de riscos, desde vulnerabilidades “notáveis” no sistema financeiro dos EUA, incluindo a queda dos preços do imobiliário comercial, até à possibilidade de que “a redução da inflação possa demorar mais do que o esperado”. Isso, por sua vez, poderá “desacelerar o ritmo da atividade real” mais do que o esperado.

A ata também registrou decisões futuras sobre quando e como parar de reduzir o tamanho do balanço do Fed, com “muitos participantes” sugerindo o início de discussões “aprofundadas” sobre a política de balanço na próxima reunião de março.

Aula Gratuita

Os Princípios da Riqueza

Thiago Godoy, o Papai Financeiro, desvenda os segredos dos maiores investidores do mundo nesta aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.