Ata do BCE cita queda encorajadora na inflação, mas reforça abordagem dependente de dados

BCE diz que o aperto monetário seguirá "pelo tempo necessário", baseando-se nos dados para os ajustes necessários na política

Estadão Conteúdo

Publicidade

O Banco Central Europeu (BCE) destaca, na ata de sua reunião de 13 e 14 de dezembro publicada nesta quinta-feira (18), o recuo “acentuado” na inflação da zona do euro nos três meses anteriores, com queda “encorajadora” e disseminada dos preços.

Mas o documento aponta que a núcleo da inflação deve manter queda gradual, enquanto a inflação de serviços seguia forte. A estimativa é que o índice cheio deve ganhar fôlego no curto prazo, com desaceleração gradual no restante de 2024.

Nesse quadro, o BCE reafirmou sua estratégia de seguir com a política monetária atual, deixando suas opções em aberto e reagindo a partir da divulgação dos próximos indicadores. Em 14 de dezembro, a instituição manteve os juros nos mesmo patamar pela segunda reunião consecutiva.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O BCE diz que o aperto monetário seguirá “pelo tempo necessário”, baseando-se nos dados para os ajustes necessários na política. Mantida pelo tempo adequado, a atual política monetária é suficiente para levar a inflação à meta, reafirma a ata.

Precipitação

Ao mesmo tempo, o documento nota movimento recente no mercado que pode afetar o quadro.

O aperto nas condições financeiras antes visto foi “mais do que revertido” em novembro e no início de dezembro, enquanto o mercado também realizou uma “revisão substancial” nas perspectivas de inflação, para baixo.

Continua depois da publicidade

Agora, investidores esperam um início mais rápido no ciclo de relaxamento monetário, com cortes mais adiantados do que o antes projetado.

O BCE adverte, porém, que uma forte reprecificação no mercado poderia relaxar em demasia as condições financeiras.

A ata reafirma que o índice cheio da inflação deve retornar à meta apenas até o segundo semestre de 2025. O BCE destaca que dados recentes na zona do euro se mostraram melhores do que o antes previsto, mas também diz que os riscos ao crescimento na região continuam a ser de baixa. A transmissão da política monetária, enquanto isso, continuava “excepcionalmente forte”.

Ainda segundo a ata, o momento atual era apropriado para rever o cronograma de investimentos do Programa de Compras de Emergência na Pandemia (PEPP, na sigla em inglês). Em dezembro, o BCE anunciou que pretendia acabar com os reinvestimentos do PEPP até o fim de 2024.

O BCE também comenta na ata que as perspectivas para a estabilidade financeira seguiam “frágeis”, no quadro atual, e destaca ainda o quadro nos salários, dizendo que ainda gostaria de ver evidências “convincentes” de mudanças sustentadas no cenário para o ritmo das altas desse componente.

No quadro global, o BCE destaca que houve surpresas de baixa recentes na inflação pelo mundo. Também vê redução nas tensões geopolíticas, acompanhadas de petróleo mais barato, embora o documento também destaque como riscos o conflito no Oriente Médio e a guerra da Rússia na Ucrânia.