Argentina planeja buscar novo plano com FMI, diz ministro da Economia

Segundo Martín Guzmán, decisão independe do resultado das negociações com credores de US$ 65 bilhões de títulos internacionais em default

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) — A Argentina vai buscar um novo programa com o Fundo Monetário Internacional, independentemente do resultado das negociações com credores de US$ 65 bilhões de títulos internacionais em default, disse o ministro da Economia, Martín Guzmán.

Guzmán também reiterou que o país atingiu o limite máximo no que está preparado para oferecer aos credores, embora tenha dito que o governo consideraria melhorar os termos legais da oferta.

“Após o processo de reestruturação da dívida com os credores privados, esperamos solicitar um novo programa do FMI que substitua o anterior, que não funcionou”, disse Guzmán em entrevista à Bloomberg Television na terça-feira. “Isso vai ocorrer independentemente do que acontecer com os credores privados.”

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A segunda maior economia da América do Sul, que está em um momento-chave do processo de reestruturação da dívida, também tem pendente um acordo de US$ 56 bilhões negociado com o FMI pelo governo anterior. O governo da Argentina trabalha para aumentar a arrecadação e reduzir o déficit fiscal, embora isso levará mais tempo do que o país e o FMI projetaram originalmente devido à pandemia de coronavírus, disse Guzmán.

“A consolidação fiscal deve ocorrer em um ritmo que permita à economia se recuperar e para sustentar essa recuperação”, disse.

Leia mais:
PIB da Argentina cai 5,4% no 1º trimestre na comparação anual

Continua depois da publicidade

A Argentina tem até 4 de agosto para reestruturar US$ 65 bilhões em dívida externa, depois de entrar em default pela nona vez na história do país.

“Melhoramos significativamente a oferta e chegamos a um ponto em que é o esforço máximo que a Argentina pode fazer sem comprometer o curso social que tentamos alcançar”, disse Guzmán, ecoando comentários feitos recentemente pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández. “Fizemos um grande esforço.”

O país ainda não conta com o apoio dos três principais grupos de credores, que afirmam representar detentores de mais de 50% da dívida externa da Argentina depois de unir forças com outros fundos nesta semana. A proposta mais recente dos credores exige um valor presente líquido de cerca de 3 centavos por dólar acima da oferta atual do governo, de cerca de 53 centavos, de acordo com relatório do Goldman Sachs.

Os grupos originalmente incluíam fundos como BlackRock, AllianceBernstein e Monarch Alternative Capital, e agora incluem BlueBay Asset Management, Fidelity Management & Research e Amundi Asset Management, entre trinta empresas que se uniram.

Qualquer que seja o resultado, a Argentina passará muito tempo sem emitir dívida nova em moeda estrangeira, disse Guzmán.

“Não esperamos acessar os mercados internacionais por um tempo”, afirmou.