OPEP+ se reúne para discutir se são necessários novos cortes na produção de petróleo

Para especialista, uma redução no fornecimento de até 1 milhão de barris por dia é o resultado mais provável do evento

Bloomberg

(Getty Images)

Publicidade

Os ministros do petróleo da OPEP iniciaram sua reunião em Viena neste sábado (3) em meio a um cenário desconfortável: demanda incerta, preços voláteis do petróleo e dúvidas sobre se seus aliados russos estão cumprindo sua parte do acordo. Um corte na produção é uma das opções em discussão pelo grupo, segundo um delegado, mas o resultado da reunião está em aberto, de acordo com outros. “Tudo está em cima da mesa”, disse Amir Zamaninia, governador do Irã na OPEP, a repórteres na capital austríaca.

As discussões iniciais entre os ministros da OPEP no sábado foram concluídas, informou Diamantino Pedro Azevedo, Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola, a repórteres do lado de fora da sede do grupo. A aliança completa da OPEP+ se reunirá no domingo para tomar uma decisão final sobre a produção.

Uma redução no fornecimento de até 1 milhão de barris por dia é o resultado mais provável, de acordo com Helima Croft, estrategista-chefe de commodities do RBC. “Acreditamos que as preocupações macroeconômicas contínuas e o sentimento negativo levarão o grupo a fazer mais um ajuste para baixo”, disse ela em uma nota.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados estão se reunindo pessoalmente apenas pela segunda vez desde que a pandemia forçou as reuniões online. A aliança de seis anos com a Rússia – que se desfez em 2020 em uma breve, mas amarga guerra de preços – tem mantido uma frente unida em desafio aos pedidos dos EUA por mais petróleo, surpreendendo alguns em Washington que pensavam poder contar com seu aliado do Golfo por muito tempo.

Mas as sanções redesenharam o mapa do petróleo, com a Rússia enviando mais petróleo para a Ásia, competindo com a Arábia Saudita em seu mercado tradicional. E não há sinal de que a Rússia esteja cumprindo as promessas que havia feito sobre cortes.

A OPEP+ está apenas um mês nos cortes na produção anunciados em abril. Esses cortes surpresa causaram um breve aumento nos preços, mas os operadores de petróleo acumularam posições curtas nos contratos futuros de petróleo à medida que a economia global lenta ameaçava a demanda. Os preços caíram 11% em Nova York em maio, encerrando o mês em cerca de US$ 68 por barril.

Continua depois da publicidade

Mesmo com a recuperação nos primeiros dois dias de junho, o petróleo bruto ainda estava cerca de 14% abaixo do pico de meados de abril, à medida que a preocupação com a economia chinesa pesa no sentimento.

Quando questionado sobre essa tendência baixista na semana passada, o Ministro de Energia da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, que procurou prejudicar os vendedores a descoberto com rodadas anteriores de cortes, disse aos especuladores para “ficarem atentos”.

No entanto, essa mensagem não foi suficiente para mudar o sentimento, especialmente depois que o Vice-Primeiro Ministro da Rússia, Alexander Novak, disse ao Izvestia que o grupo provavelmente não tomaria “nenhuma nova medida”.

Novak mais tarde moderou essa declaração, dizendo que o grupo poderia decidir tomar qualquer ação necessária. No entanto, com os cortes prometidos pela Rússia não se refletindo nos mercados internacionais, não está claro se o grupo conseguirá encontrar consenso para mais uma rodada de reduções tão cedo.

A preparação para a reunião foi ofuscada por essa diferença de opiniões entre os dois maiores membros, bem como pela decisão de proibir jornalistas da Bloomberg, Reuters e Wall Street Journal de participarem da reunião em Viena. Os ministros da OPEP realizam sua reunião no sábado, seguida de uma conferência completa da OPEP+ no domingo.

Os cortes surpresa anunciados em abril totalizam cerca de 1,2 milhão de barris por dia – além de uma redução de 500.000 barris por dia já anunciada pela Rússia – e continuarão até o final do ano. É difícil avaliar seu impacto após apenas algumas semanas, disseram analistas do JPMorgan Chase & Co. em uma nota.

Os cortes “só se tornaram visíveis nos dados de exportação na segunda semana de maio”, de acordo com o banco. “Provavelmente levará mais algumas semanas para verificar sua implementação e eficácia.” Eles devem ser suficientes para ajustar os mercados de petróleo na segunda metade do ano, desde que não haja recessão, disse o JPMorgan.

“O principal objetivo da OPEP e seus aliados é preservar a estabilidade do mercado de petróleo e evitar qualquer volatilidade”, disse Hayyan Abdul Ghani, ministro do petróleo do Iraque e vice-primeiro-ministro de assuntos energéticos, a repórteres ao chegar em Viena na sexta-feira. “Não hesitaremos em tomar qualquer decisão que nos traga mais equilíbrio e estabilidade”.

©2023 Bloomberg L.P.