A economia da China realmente cresceu 5,2% em 2023? Nem todos concordam

Uma divergência gira em torno dos dados de investimento de Pequim, que mostram que os gastos em manufatura e infraestrutura superaram o impacto negativo do setor imobiliário. Outros discordam do dado sobre o crescimento econômico

Bloomberg

(Getty Images)

Publicidade

Bloomberg — Suspeitas de longa data sobre a precisão dos dados oficiais de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China impulsionaram um mercado de cálculos alternativos, que entrou em ação nesta semana após Pequim anunciar que a expansão econômica de 2023 estava de acordo com a meta anual de cerca de 5%.

Há um consenso de que a economia cresceu no ano passado, impulsionada por um aumento no consumo após o levantamento das restrições da pandemia. Isso é facilmente visível em dados compilados fora do Escritório Nacional de Estatísticas da China, como o número de voos domésticos ou o crescimento da receita de empresas focadas no consumidor. Também estão de acordo estimativas que apontam uma forte queda na construção imobiliária, juntamente às finanças locais tensas e à queda nas exportações, que exerceram pressão negativa sobre a segunda maior economia do mundo.

Uma divergência gira em torno dos dados de investimento de Pequim, que mostram que os gastos em manufatura e infraestrutura superaram o impacto negativo do setor imobiliário.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Outros discordam do dado sobre o crescimento econômico. O investimento geral foi amplamente estável no ano passado, o que significa que os dados do PIB “superestimaram significativamente” o crescimento da China em 2023, de acordo com Logan Wright, diretor do Rhodium Group. Ele afirmou que o número real provavelmente foi em torno de 1,5%.

Dúvidas sobre as estatísticas oficiais de investimento da China, que medem os gastos com coisas como habitação, fábricas e infraestrutura, foram alimentadas por revisões frequentes nos últimos anos, e os dados mais recentes implicam em um ajuste incomumente grande.

O investimento em ativos fixos, ou IAF, aumentou 3% em termos nominais em 2023, segundo o Escritório de Estatísticas. Mas acrescentou que o montante total de investimento, de 50,3 trilhões de yuans (US$ 7,1 trilhões), não podia ser comparado diretamente com o valor relatado para 2022 devido a fatores, incluindo “dados problemáticos descobertos durante inspeções estatísticas de aplicação da lei”.

Continua depois da publicidade

‘Ajuste’ surpreendente

O número de crescimento do IAF para 2023 implica uma revisão para baixo de 7 trilhões de yuans, ou 17% do investimento total em relação ao valor inicialmente anunciado para o ano anterior, segundo economistas da Pantheon Macroeconomics. Eles chamaram o ajuste de “surpreendente”. A revisão “mostra quão problemáticos são esses dados”, disse Carsten Holz, professor de economia especializado em estatísticas chinesas na Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong.

A estimativa da Rhodium é plausível, acrescentou. O escritório central de estatísticas não tem autoridade para impor relatórios precisos por parte de autoridades de nível inferior e encontra-se em um “ambiente administrativo cada vez mais politizado”, disse Holz. Isso acrescenta pressão aos funcionários para usar “mudanças nos métodos de compilação de dados, ou manipulação direta de dados, para obter os dados considerados desejáveis”, disse ele.

A estimativa de crescimento da Rhodium para 2023 está no extremo inferior de uma escala ampla. Uma amostra de estimativas independentes reunidas pela Bloomberg mostrou outros com números de expansão variando até 7,2%. Essa falta de consenso é uma razão pela qual o número oficial continua sendo um ponto de referência para os mercados e discussões sobre a economia da China.

A Rhodium adota uma abordagem “de baixo para cima”, avaliando as contribuições do consumo, investimento e exportações líquidas para o crescimento geral com base em dados de nível inferior, como investimento em imóveis, empréstimos com cartão de crédito e gastos do governo. Muitas vezes, a informação ainda vem de fontes oficiais e é mais confiável do que o número de crescimento divulgado, argumenta Wright.

Resultados diferentes

No entanto, outros que adotam uma abordagem semelhante produzem estimativas de crescimento diferentes. O indicador GDP China Nowcast da QuantCube Technology, que se baseia em uma variedade de dados não oficiais que vão desde números de poluição do ar até envios e análise de texto de relatórios online, tem “correspondido de perto aos lançamentos oficiais” este ano, disse a empresa.

Dúvidas sobre os dados do PIB da China tendem a aumentar quando a economia desacelera, com o ceticismo atingindo o pico depois que Pequim relatou um crescimento de supostamente 3% em 2022, apesar dos amplos bloqueios. Mas de acordo com um artigo da China Economic Review com base em dados de luzes noturnas rastreadas do espaço, os controles do coronavírus naquele ano reduziram o PIB em 3,9%.

Leia também: Para muitos na China, economia parece estar em recessão

Uma estimativa mais baixa para o crescimento em 2022 pode significar que o número de 2023 acaba sendo mais alto. Um exemplo é a estimativa de baixo para cima da Fathom Consulting, com base em séries de dados oficiais que técnicas econométricas sugerem estar menos sujeitas a manipulação.

O veredicto deles: crescimento de 7,2% no ano passado, após crescimento de 0,9% em 2022. “Esses efeitos básicos acabaram agora, e nossa estimativa para 2024 está novamente de volta a taxas mais ‘normais’, de cerca de 4%”, disse Juan Orts, economista da Fathom. Alguns economistas duvidam da precisão das medidas de baixo para cima como um todo. Um motivo: à medida que a economia da China avança, a estrutura da atividade se altera.

Há cerca de uma década, o “Índice Li Keqiang” estava na moda, nomeado em homenagem ao ex-primeiro-ministro da China, que foi citado dizendo que dependia de estimativas de uso de eletricidade, volumes de transporte ferroviário e crescimento de empréstimos bancários como um indicador do PIB. Mas caiu em desuso, pois a economia da China agora consiste principalmente em serviços, com a indústria pesada desempenhando um papel menor.

Uma abordagem alternativa é usar os números oficiais do PIB nominal da China, que não são ajustados para a inflação, e então aplicar um deflator de preços independente para obter uma estimativa de crescimento real. A abordagem ganhou popularidade antes da pandemia, quando o deflator oficial da China passou a ser amplamente visto como uma ferramenta para suavizar a taxa real de expansão do PIB.

No entanto, não há consenso sobre o melhor deflator. A Pantheon Macroeconomics diz que o PIB real aumentou cerca de 4,9% no ano passado, usando seu deflator. Mas a TS Lombard chegou a 3,6% usando sua própria fórmula de ajuste.

No Goldman Sachs Group (GS), economistas têm experimentado com uma medida de crescimento baseada em dados não chineses, usando números de importações da China mais uma medida de correlação entre exportações e crescimento. O resultado para os últimos anos foi “bastante consistente com o crescimento oficial do PIB”, concluíram em um relatório de outubro.

Outras estimativas baseadas no consumo de commodities e na produção industrial foram “ligeiramente mais baixas” do que os dados oficiais. “Quanto a economia da China desacelerou?” eles perguntaram. “Essa pergunta simples é difícil de responder.”

© 2024 Bloomberg L.P.

Tópicos relacionados