A colaboração no terceiro setor: importância e desafios

Causas urgentes e desafios complexos demandam atuação conjunta

Ana Julia Rodrigues

Publicidade

Passados dois anos desde que o primeiro caso de infecção pela Covid-19 chegou a terras brasileiras, muita coisa mudou. A crise política, econômica e social que sacudiu o mundo todo fez com que todos os setores revissem suas práticas e é possível arriscar dizer (ou cantar) que “o futuro não é mais como era antigamente”.

Se por um lado organizações da sociedade civil, em um primeiro momento, enfraqueceram, a emergência que se impôs também ampliou a visibilidade das Organizações da Sociedade Civil (OSC) e a necessidade e importância da colaboração entre os setores públicos e privados na busca por um mundo melhor.

Dentre os casos recentes de colaboração no terceiro setor e relacionados ao enfrentamento da pandemia está o Fundo Emergencial para a Saúde, uma iniciativa colaborativa do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), o Movimento Bem Maior e a BSocial, que captaram, conjuntamente, R$ 40 milhões distribuídos para hospitais e santas casas de 25 estados brasileiros, fortalecendo a atuação do SUS. As organizações se juntaram numa força tarefa tanto para captar esses valores, quanto para fazer com que ele chegasse na ponta, gerando transformação social.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Outro caso emblemático é o Fundo Baobá, o primeiro e único fundo dedicado, exclusivamente, para a promoção da equidade racial para a população negra no Brasil. Criado em 2011, o Fundo Baobá é um exemplo de como colocar recursos na mão daqueles que, normalmente, não acessariam doadores tradicionais, vindo de uma organização do terceiro setor.

Mas, apesar dos bons exemplos, será que é tão simples assim? Como se dá a colaboração entre setores tão diferentes? Quais as responsabilidades de cada um? Por que é tão difícil agir em conjunto?

Segundo Erika Sanchez Saez, diretora-executiva do Instituto ACP, para que a colaboração funcione é preciso, antes de mais nada, fugir do clichê de “fazer tudo junto”. “Colaboração é aquela típica coisa que é muito fácil cair no clichê. Então você fala: vamos colaborar, vamos fazer junto, colaboração é importante… todo mundo vai falar: claro! vamos colaborar, vamos fazer junto. Mas a prática é bem diferente do discurso”, pontua.

Continua depois da publicidade

Sanchez Saez é autora da publicação Filantropia Colaborativa, que faz parte da série Temas do Investimento Social do GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas) e é a entrevistada da semana no podcast Aqui se Faz, Aqui se Doa! produzido pelo Instituto MOL com apoio do Movimento Bem Maior, Morro do Conselho Participações e Ambev, e divulgação do Infomoney.

De acordo com a diretora-executiva do Instituto ACP, é importante que cada organização reflita sobre o significado da colaboração, considerando o momento em que atravessa, quais as oportunidades e o que pode oferecer.

“Acho que a palavrinha chave aqui é governança. E a governança entendida como todos aqueles processos que definem como as decisões vão ser tomadas. Então, quando a gente vai colaborar com qualquer pessoa, e pode ser no setor social, pode ser em casa, pode ser em qualquer lugar, é importante, é saudável que a gente sentar e conversar sobre como a gente vai fazer isso, quem é responsável pelo o quê, como é que a gente toma decisões, quais decisões a gente toma junto, quais decisões a gente não toma junto?”, completa.