Em conteudo-patrocinado

“O Brasil terá anos desafiadores”, diz vice-presidente da PIMCO para AL

Para Luis Otávio Oliveira, reformas necessárias não são algo simples e provavelmente podem gerar muita volatilidade

Passada a turbulência eleitoral, o cenário tem sido positivo para os ativos brasileiros. O Ibovespa acumula alta de 15,2% no ano, enquanto os juros futuros caíram consideravelmente. Mas o cenário atual não sinaliza que os tempos de volatilidade do mercado brasileiro chegaram ao fim.

Para Luis Otávio Oliveira, vice-presidente Sênior da PIMCO para a América Latina, os próximos anos serão desafiadores. Isso porque a agenda econômica do país exige grandes reformas para que o Brasil entre numa fase de crescimento resiliente. “Isso [as reformas] não é algo simples de ser feito e provavelmente pode gerar muita volatilidade”, afirma.

Para não deixar toda a sua carteira exposta a esse cenário, investidores brasileiros devem ter uma parte alocada em ativos com baixa correlação com o mercado brasileiro. “Pelo lado da diversificação é sempre importante o cliente ter exposição a outros fatores de risco através de um veículo local que seja isolado da situação do Brasil. E também em questão de potencial geração de retorno, as taxas de juros lá fora são mais altas, ao investir no exterior e fazer o hedge de moeda, é possível capturar um pedaço do diferencial de taxa de juros e também prêmios de riscos de renda fixa global”, explica Oliveira.

Um fundo que permite esse investimento é o PIMCO Income FIC, que permite acessar o mercado de renda fixa internacional, destinado, exclusivamente, a investidores qualificados. A PIMCO é uma gestora global com mais de US$ 1,7 trilhão sob gestão, famosa justamente por sua atuação no mercado de renda fixa.

Criado em 2015, o PIMCO Income FIC foi elaborado com base nas demandas colhidas pela gestora em reuniões com private banks, consultores, fundos de pensão e gestores de fund of funds que atuam no mercado brasileiro. “Eu entrava nessas reuniões com uma folha de papel em branco e dizia: ‘eu vim falar sobre o novo produto da PIMCO’”, afirma Oliveira. “Naquele momento, o que a gente queria entender eram as características que um produto ideal deveria”, complementa.

O resultado dessas reuniões é um fundo que combina sete características principais. As primeiras dizem respeito ao retorno buscado pelo PIMCO Income FIC: primeiro, o objetivo é superar o CDI; a segunda característica é superar o CDI de forma consistente, e, junto a isso, sem grandes saltos para cima ou para baixo, sem volatilidade extrema — terceira característica¹.

A quarta característica é um fundo com baixa correlação com o mercado nacional, que ajude o investidor a melhorar sua relação risco-retorno; estabelecer um fundo com uma liquidez maior que a do mercado (que costuma ser de D+30 para cima) é a característica número cinco; a número seis diz respeito ao tamanho do fundo, trata-se de um fundo com capacidade para absorver um volume significativo de recursos. Por fim, há a questão da taxa de administração, trata-se de uma taxa que não é excessivamente punitiva para o investidor.

Outro grande diferencial do fundo é ainda a proteção cambial, o que evita grandes volatilidades. Para saber mais sobre o PIMCO Income FIC e outros fundos da PIMCO, clique aqui.

1* O histórico de performance passada não garante a mesma performance no futuro.

 

 

Contato