Em conteudo-patrocinado

Grupo IBS Energy lança projeto de termelétrica movida à biomassa

Com capacidade para gerar 50 megawatts-médio de energia limpa, a Termelétrica Cidade do Livro deve começar a despachar em 2021 

O grupo IBS Energy, especializado em comercialização e gestão de energia, iniciou a construção de uma termelétrica de energia limpa à base de biomassa na cidade de Lençóis Paulista (SP). A usina marca a entrada do grupo no mercado de geração em um momento em que se discute a escassez de energia no Brasil para os próximos anos.

O projeto entregará energia incentivada 50 possibilitando a troca por créditos de carbono no mercado internacional. “Todo o processo de geração de energia – do plantio à geração propriamente dita – será certificado e pronto para o aproveitamento de créditos de carbono”, afirma Antônio Bento, CEO do Grupo IBS Energy.

A usina tem despacho de energia previsto para meados de 2021.  A capacidade de geração será de 50 MWm (megawatts-médio), com consumo de 650 mil toneladas de cavaco de madeira por ano, operando 8.300 horas anualmente.

Com formato inédito de comercialização, a proposta de negócio tem modelagem financeira capaz de gerar uma Taxa Interna de Retorno (TIR) ao redor de 13%. O leilão para participação na usina por meio de cotas está marcado para o dia 25 de outubro.

A usina foi batizada de Termelétrica Cidade do Livro, em homenagem à cidade escolhida para sediá-la. O município de Lençóis Paulista foi selecionado por conta de seu maciço florestal de aproximadamente 320 mil hectares — quantidade mais que suficiente para atender a demanda da usina. 

Do projeto à realização

A incerteza sobre a real capacidade do sistema energético brasileiro em suprir a demanda por energia foi o que levou a IBS à decisão de investir na geração de energia. Segundo Bento, a Termelétrica Cidade do Livro vem para oferecer energia limpa, renovável e rastreável. “O cenário do setor elétrico indica para alta de preços e escassez de energia. Com isso, a geração de fontes limpas e renováveis torna-se cada vez mais viável do ponto de vista econômico e também ambiental”, afirma.

Clique aqui para conhecer o grupo IBS e saber mais sobre o projeto.

Este conteúdo faz parte da série Energia no Brasil. Confira também as primeiras reportagens sobre o tema:

 - Brasil pode enfrentar escassez de energia entre 2021 e 2022.
 - Por que o mercado livre de energia não para de crescer?
 - Energia solar, eólica ou de biomassa: qual é a melhor para a minha empresa?

 

 

Contato