Fechar Ads

Você trabalharia para uma empresa que vive da corrupção?

É perturbador ter de tomar decisões sobre a própria carreira, quando a empresa em que você trabalha está envolvida em casos de corrupção
Por  Silvio Celestino
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

É perturbador ter de tomar decisões sobre a própria carreira, quando a empresa em que você trabalha está envolvida em casos de corrupção.

Como em uma novela macabra, vimos que, após o capítulo do mensalão, segue-se o do petrolão. Também é muito provável que, neste exato momento, as negociatas para a mudança da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) estejam escrevendo o próximo capítulo, sobre o qual seremos informados daqui a alguns anos. Não percam!

Imagino como é difícil para um profissional sério, e que deseja construir grandes obras com qualidade internacional, fazer carreira fora dessas empreiteiras e construtoras já consagradas. Embora o sejam nem sempre pela qualidade de seus serviços, mas pela frequência com que seus nomes são envolvidos em casos de corrupção. Será que não estaria na hora de dispensar essas empresas e trazer as de outros países para essas obras? Especialmente as que possuem ações na Bolsa de Nova York e submetidas a leis mais rigorosas que as nossas?

Quando vejo a baixa qualidade das obras públicas, parece evidente que essas empresas não têm interesse em oferecer estruturas de excelência ao brasileiro. Como se ele fosse um cidadão de segunda classe e não merecesse uma construção de melhor qualidade. E não adianta dizer que elas seguem o que é pedido nas licitações, pois sabemos muito bem quem, de fato, as escreve.

Se desejarmos oferecer um ambiente mais adequado ao desenvolvimento das carreiras de nossos jovens, precisamos que as empresas, assim como o País, tenham profundo apreço por três fatores: transparência, ética e justiça.

A transparência é o que permite a todos verificar como as decisões e as operações empresariais são feitas do início ao fim. Sem ela, não há um ambiente que permita observar se as regras contábeis e de governança, por exemplo, são cumpridas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ética é o que deve direcionar a conduta de todos, especialmente dos líderes dessas empresas. Chega a ser ridículo observar que certas companhias envolvidas nesses escândalos são famosas por seus livros de código de conduta.

Mas, independentemente da empresa em que você atue, tenha seu próprio código de honra. Isto é, um conjunto de regras que diga o que você não está disposto a comprometer por causa de um benefício em sua carreira.

E, por último, todos devem ter apreço por fazer a Justiça funcionar. Entretanto, da maneira como está, não somente Dilma, mas eu também não teria medo da Justiça, se pudesse escolher dez dos onze juízes que me julgariam em última instância. Esse mecanismo de escolha de juízes do Superior Tribunal Federal (STF) precisa ser revisto.

Como profissional, você também é o Brasil em cada uma de suas decisões. Escolha sabiamente como fará dinheiro, e o que não fará pelo dinheiro.

Se não fomentarmos a vitória em nossas carreiras pela conduta transparente, ética e protegida por uma Justiça que funcione, nunca melhoraremos como profissionais e como nação.

Não está na hora de mudar nossos critérios a respeito do que é válido para ter sucesso, seja como indivíduo ou como empresa?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vamos em frente!

Silvio Celestino É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.

Compartilhe

Mais de Sua carreira, seu maior investimento

Sua carreira, seu maior investimento

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A principal recomendação para qualquer profissional em 2018 é: seja rápido.   As maiores oportunidades de prosperidade e sucesso de carreira ocorrem nas chamadas novas fronteiras, isto é, nos mercados que nunca existiram antes e surgem principalmente em decorrência de uma nova onda tecnológica. A dificuldade de reconhecê-las é enorme, pois o sucesso de algo novo não é visível para a maioria e representa riscos elevados para os iniciantes: assim, as décadas de 1920 e 30 foram momentos extraordinários para quem se envolveu com a indústria da aviação. Já os anos de 1950 e 60, o foram para quem trabalhou na indústria da computação de grande porte. A década de 1980 foi o início da era de ouro dos microcomputadores; já o fim dos anos 90 e início de 2000, para a internet, os celulares e, depois, as redes sociais. 
Sua carreira, seu maior investimento

Feedback não é para ser traumático

Já vi indivíduos traumatizados por conta de um feedback. No caso mais grave, conheci uma pessoa que teve uma hemorragia provocada pelo estresse de um feedback feito de maneira torturante: ela tinha de ficar de frente para uma parede e de costas para seu chefe e colegas de trabalho que lhe dariam os “feedbacks“, e ela só podia ouvir. Não sei quem foi o idealizador dessa prática infeliz, mas, para minha surpresa, foi aplicada até mesmo em empresas juniores no Brasil.
Sua carreira, seu maior investimento

Quem não delega não lidera

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. 
Sua carreira, seu maior investimento

Pare de odiar quem faz follow-up

Seria uma falta de sinceridade minha não iniciar este texto com uma confissão: eu odeio follow-up! Não gosto de fazê-lo e muito menos que façam sobre meu trabalho. Entretanto, são notórios os problemas, as falhas e os erros que ocorrem quando o follow-up não é realizado. E, portanto, apesar de meu sentimento a respeito dessa competência de liderança, a exerço e permito que outros a exerçam sobre meu trabalho, sem reclamar.
Sua carreira, seu maior investimento

O plano de vida precede o de carreira

Um grande problema que observo nos executivos é a ausência de um plano de vida que oriente seu plano de carreira. Quando isso ocorre, há um hiato entre o que ele atingirá profissionalmente e a vida que realizará. Esse hiato pode ser intransponível se ele deixar para preenchê-lo ao fim de sua carreira profissional. Essa possibilidade por si só deveria ser motivo de angústia, incerteza e preocupação, entretanto, a maioria dos indivíduos a ignora.