Afinal, preço importa ou não na hora de comprar ações?

No tão acalorado debate sobre se preço importa ou não na hora de investir em ações, a grande conclusão é: as duas formas funcionam, mas isso depende do tipo de investidor que você é

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Semana passada foi ao ar o episódio 29, que foi um dos mais ricos da curta história do Stock Pickers. Em primeiro lugar porque ele foi realizado no palco do Rico Connect, evento da Rico Investimentos que reuniu analistas, influenciadores, gestores e traders no lindíssimo Memorial da América Latina (São Paulo). Em segundo porque tivemos a oportunidade de explorar uma das “tretas” mais relevantes do mercado de ações hoje: o preço importa?

E aqui já vale uma explicação: somos da paz, e treta é só nosso jeito informal e bem humorado de designar um debate relevante, profundo, que tem visões e opiniões de alto nível, porém antagônicas.

Para os que quem não ouviram ainda o episódio (o link pra ouvi-lo está aqui): no lado do “preço importa” estiveram João Braga (gestor da XP Asset) e Henrique Bredda (Alaska Investimentos); do outro, Fábio “Holder“ Faria, investidor, analista e criador do Canal do Holder no YouTube.

Não queremos estragar a surpresa de quem não ouviu ainda, mas já deixamos aqui nossa principal conclusão: a resposta sobre se preço importa ou não depende do tipo de investidor que você é.

Gestores como Braga e Bredda têm sob sua responsabilidade bilhões de reais sob gestão e são remunerados pelos seus cotistas para gerar (muito) valor. E como eles fazem isso? Encontrando discrepâncias entre o preço de uma ação na Bolsa e o valor que eles enxergam nesta empresa (na prática: comprando por um preço para, se possível, vender mais caro depois).

Para gestores como eles, é fundamental acreditar que preço importa. Do contrário, como o própria Bredda citou neste episódio do Stock Pickers, se os mercados fossem eficientes eles seriam mendigos, pois o trabalho deles de encontrar bons preços não faria sentido.

Se você é uma pessoa que não tem tempo, nem conhecimento, nem vontade de acompanhar o mercado e identificar as melhores oportunidades de ações, faz muito mais sentido ser cotista de um fundo de ações. Isso vai ter um custo, claro, que são as taxas de administração e de performance, mas fazendo uma boa escolha e com foco no longo prazo esses custos tendem a ser bem compensadores (Bredda e Braga são provas disso, haja vista a performance de seus fundos na XP e no Alaska).

Mas há outros tipos de investidores que têm enfoque totalmente diferente. Eles, sim, preferem analisar com profundidade as empresas que compram na Bolsa, com um objetivo muito claro: aumentar ao máximo seu patrimônio no longo prazo. Então, pouco importa se ela caiu ou subiu 10% neste mês, isso não fará grande diferença se estiver olhando para um horizonte de anos ou décadas.

Esse tipo de investidor olha muito mais para a capacidade que a empresa tem de multiplicar seu capital, não só pela valorização de mercado mas também pela distribuição de dividendos. Não é exatamente a diferença entre o preço de compra e o preço de venda no curto ou médio prazo que vão fazer diferença para ele, mas sim a qualidade da companhia. Para eles, preço não importa.

Essa modalidade faz total sentido se você tem esse mindset de investir em ações como construção de patrimônio para loooongo prazo e disposição de escolher as ações por conta própria. Dessa forma, você fica isento das taxas que pagaria se investisse em um fundo e foge até do imposto de renda (você só pagará IR quando liquida sua posição; enquanto estiver carregando-a, não terá impostos).

Fabio Holder acredita que investir via fundos vai diminuir boa parte da sua rentabilidade por conta das taxas e que, se você é um investidor de longo prazo de verdade, pode ir comprando ações de boas empresas gradualmente como forma de construção de patrimônio. Por isso, preço não importa para ele.

Braga e Bredda acreditam que o mercado não é eficiente e que fatores emocionais distorcerão os preços para cima (na euforia) e para baixo (no pânico), abrindo grandes oportunidades de compras e vendas de ações. Por isso, preço importa para eles.

Preço importa ou não importa? Depende para quem.

Como resumiu Braga: “Não existe verdade absoluta na bolsa, dá para ganhar dinheiro do jeito dele [Holder], do meu, do Bredda, dá para ganhar dinheiro até com computador operando!”

Em meio a este debate, quem levou a melhor foram os ouvintes do Stock Pickers, sem dúvida nenhuma, que tiveram uma grande aula.

Para conferir este e outros episódios do Stock Pickers, veja aqui em nossa página principal.

Thiago Salomão

Analista de ações da Rico Investimentos, idealizador e apresentador do Stock Pickers