O desemprego bateu recorde – e essa não é a pior parte da notícia

O recorde de desemprego é uma notícia extremamente negativa, mas não reflete toda a ruindade do cenário. Incrivelmente, a situação é ainda pior do que aparenta
Por  Pedro Menezes -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Os números divulgados pelo IBGE no último dia 30 mostram a taxa de desemprego em valor recorde. Na atual série da PNAD Contínua, iniciada em 2012, a taxa de desemprego alcançou o seu pico histórico no trimestre encerrado em julho de 2020: 13,8%. O gráfico abaixo mostra exatamente esse fenômeno, com a linha azul no maior patamar já registrado.

Apesar da série da PNAD Contínua ter início em 2012, outros pesquisadores mesclaram diferentes bases de dados e encontraram evidências suficientes para afirmar que a atual taxa de desemprego é a maior em 25 anos. Talvez você tenha lido isso por aí. Meu propósito, com esse texto, é mostrar ao leitor que, apesar do recorde, essa taxa não reflete toda a ruindade do cenário: o mercado de trabalho está ainda pior do que parece.

O que argumento aqui não é uma tese controversa. Muito pelo contrário. Para entender o que digo, basta ir um pouco além da taxa de desemprego e observar outros agregados, como a taxa de participação e o crescimento da população ocupada. A maioria dos analistas de mercado de trabalho faz isso.

O público geral, porém, nem sempre tem acesso a esse tipo de análise. E é importante entender o que escrevo aqui, por três motivos:

– O tombo no mercado foi muito maior do que parece.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Mesmo que a economia melhore (o que está ocorrendo, mas é assunto pra outro texto), a taxa de desemprego deve seguir crescendo por mais algum tempo.

– A retomada do PIB depende da retomada do emprego por motivos óbvios: será muito difícil retomar o crescimento com um número tão significativo de trabalhadores sem emprego.

A taxa de desemprego (ou de desocupação, segundo o nome oficial) não reflete a ruindade do cenário porque representa apenas a parcela da força de trabalho que está procurando emprego ativamente, mas não conseguiu encontrar. Um adulto que está sem emprego e desistiu de procurar ativamente não está na força de trabalho – portanto, também não conta para taxa de desemprego.

O gráfico abaixo mostra a taxa de participação na força de trabalho – isto é, a porcentagem dos adultos que tem emprego (ocupado) ou está procurando ativamente (desocupado). Depois de flutuar entre 61% e 62% durante vários anos, a taxa de participação desabou repentinamente, chegando a 54,7%, o menor valor já registrado.

A taxa de desemprego é uma divisão: o contingente total de indivíduos desocupados (que procuram emprego ativamente, mas não encontram) dividido pela força de trabalho. Como muitos desistiram de procurar emprego, o aumento na taxa de desocupação não se explica por um aumento no número de desocupados. A grande mudança ocorreu no denominador, a força de trabalho, que diminuiu. A tabela abaixo mostra o que aconteceu na comparação entre o trimestre encerrado em julho de 2020 e o mesmo período de 2019.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Maio/Junho/Julho – 2019Maio/Junho/Julho – 2020Variação
População adulta171 milhões174,1 milhões+3,1 milhões
Força de Trabalho106,2 milhões95,2 milhões-9 milhões
Ocupados93,6 milhões82 milhões-13,6 milhões
Desocupados12,6 milhões13,1 milhões+0,5 milhões
Fora da Força de Trabalho64,8 milhões79 milhões+14,2 milhões

Com os números acima, podemos ver claramente que a grande maioria dos que perderam emprego durante a pandemia saíram da força de trabalho.

Outra forma de observar o mesmo fenômeno é analisar a evolução da população ocupada. Como se pode ver no gráfico abaixo, o número de pessoas empregadas é o menor da série histórica iniciada em 2012.

Outra consequência lógica dos números apresentados acima é que a população ocupada forma uma porcentagem cada vez menor da população adulta. Pela primeira vez na série do IBGE, menos de 50% dos brasileiros adultos estão trabalhando regularmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A diminuição da população ocupada não tem paralelo na história recente do Brasil, inclusive considerando a crise econômica de 2014-16.

As consequências deste fenômeno são de primeira importância. Como já comentei anteriormente, a taxa de desemprego ainda deve continuar subindo e se manter num patamar alto por um bom tempo. Isto porque, mesmo com a economia crescendo de novo, o contingente que está fora da força de trabalho vai voltar a procurar emprego ativamente, aumentando o número de desocupados. Esse processo deve ditar a evolução da taxa de desemprego nos próximos trimestres.

Com o desemprego alto por mais tempo, surge um desafio para a retomada econômica. Como os trabalhadores produzem a riqueza expressa no PIB, a economia deve crescer menos num cenário de grande ociosidade no mercado de trabalho. A tragédia que vivemos durante toda a década de 2010 deve se prolongar até o início dos anos 2020.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa dinâmica também é relevante nos debates sobre a volta da inflação. Com o mercado de trabalho parado, a pressão por aumentos salariais tende a ser menor, de modo que a inflação não parece um problema tão provável no horizonte de curto prazo. Esse cenário pode mudar caso o governo abandone a agenda de ajuste fiscal, como tem sido especulado.

O recorde de desemprego é uma notícia extremamente negativa, mas não conta a pior parte da história. Incrivelmente, a situação é muito pior do que aparenta.

Newsletter InfoMoney
Insira um email válido.
done Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Pedro Menezes Pedro Menezes é fundador e editor do Instituto Mercado Popular, um grupo de pesquisadores focado em políticas públicas e desigualdade social.

Compartilhe

Mais de Pedro Menezes

Pedro Menezes

Guedes ataca a IFI. O Senado aceitará calado?

Paulo Guedes inventa erros que a Instituição Fiscal Independente não cometeu e pede intervenção numa instituição de controle subordinada ao Senado. A IFI tem como missão produzir informações que podem o contrariar o governo. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ouviu calado
Real, Brazilian Currency - BRL. Dinheiro, Brasil, Currency, Reais, Money, Brazil. Real coin on a pile of money bills.
Pedro Menezes

A volatilidade do real revela uma economia dominada pela incerteza

Além de ter se desvalorizado ao longo do ano, o Real é uma das moedas mais voláteis entre economias emergentes. O ambiente interno é fonte de diversas incertezas, que colaboram para a volatilidade da moeda brasileira. Portanto, uma dúvida se impõe: a política brasileira vai contribuir para diminuir as incertezas que agitaram o mercado de câmbio em 2020?
Pedro Menezes

Relator do PL 2630 tentou censura generalizada, mas falhou

Substitutivo elaborado pelo senador Angelo Coronel tentou exigir comprovante de residência para cadastro em rede sociais, exclusão de conteúdo após a mera abertura de processo judicial, dentre outros absurdos. A confusão envolvendo o relatório acabou adiando a votação do PL, que era prevista para hoje