Venture capital e startups no Brasil: antes e depois da pandemia

A transformação cultural gerada pela pandemia atingirá todos os ramos. Cabe a cada empreendedor mapear o “novo normal” em sua indústria para poder se preparar melhor para as oportunidades sem precedentes que estão surgindo
Por  Matheus Tavares dos Santos -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Na última década, o ecossistema de startups no Brasil passou por um boom. Em 2019, foram US$ 2,7 bilhões em investimentos, quantia quarenta vezes maior que os US$ 66 milhões aplicados em 2011.

Até o início de 2018, o Brasil não tinha nenhum unicórnio. Hoje, o país está entre os seis com o maior número de startups com valuation acima de US$ 1 bilhão. Apenas em 2019, o Brasil foi o terceiro maior gerador de unicórnios do ano, atrás apenas da China e dos EUA.

O Brasil se tornou um dos maiores early adopters de tecnologia no mundo: o país possui a maior userbase do mundo no WhatsApp, a segunda maior no YouTube e no Twitter e a terceira maior no Facebook, Instagram, Linkedin e Netflix.

Isso aconteceu ao mesmo tempo em que o e-commerce cresceu quase dez vezes em apenas 5 anos, mesmo levando em consideração o fato de que uma a cada três pessoas no Brasil não tem smartphone.

Maiores, mais Rápidas e Globais

As startups brasileiras também estão tornando-se cada vez mais globais. A brasileira Gympass lidera o mercado não só no Brasil, mas também nos EUA e na Europa, enquanto o Nubank se expande por toda América Latina.

Isso fica ainda mais claro quando verificamos que, em busca de maiores valuations, essas startups preferem listar suas ações fora do Brasil. A Stone e a XP listaram suas ações na Nasdaq e a PagSeguro registrou-se na NYSE, todas ignorando uma listagem nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além disso, as startups brasileiras crescem a um passo cada vez mais acelerado, mostra relatório da McKinsey: fundado em 2014, o Nubank levou 40 meses para alcançar 1 milhão de usuários; em 2016, o Banco Neon levou apenas 24 meses; já em 2019, o C6 Bank levou 6 meses para alcançar tal marca.

Assim, o perfil das maiores empresas do país vem gradualmente se transformando.

Enquanto o valuation das 10 maiores empresas tradicionais do Brasil caiu 30% na última década, as 10 maiores empresas de tecnologia aumentaram seu valor em 220%.

Empresas como XP, Stone, PagSeguro, Nubank e Banco Inter possuem um valuation superior a US$ 60 bilhões, cerca de R$ 310 bilhões.

Inegável, e não reconhecido, potencial

Em 2019, os investimentos em startups representavam apenas 0,12% do PIB brasileiro. Embora dez vezes maior que a taxa de 2012, essa quantia ainda é baixa quando comparada a países como EUA, China e Israel, que possuem, respectivamente, 0,6%, 0,33% e 0,99% de seus PIBs sendo investido em startups.

Coronavírus: negativo no curto prazo, benéfico ao longo

Em uma pesquisa da Atlantico Partners com 350 CEOs de startups e empresas, apenas 13% disseram que vão conseguir aumentar suas receitas mesmo com o coronavírus, enquanto 15% estimam uma queda de mais de 50%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante desse cenário, em que 46% das startups ou cancelaram seu round de investimento, ou viram investidores desistirem de rounds já em andamento, o principal foco delas é a sobrevivência.

Uma vez que o caixa terá que ser mantido por um período mais longo do que o inicialmente planejado, dado os rounds não consolidados, mais da metade dos CEOs pretenderam congelar o recrutamento, e 61% pretendem renegociar contratos com o objetivo de diminuir o burn e conservar caixa para prolongar a existência da startup.

Apesar das dificuldades, o cenário para o longo prazo pode ser otimista

Toda crise gera grandes transformações. Em 2008, por exemplo, modelos de negócios de shared e gig economy, como Uber e Airbnb, tornaram-se possíveis à medida que o desemprego e a necessidade de fontes alternativas de renda fizeram-se realidade.

No contexto da atual crise, por sua vez, a rápida transição para o mundo online é a principal mudança de paradigma. Para ilustrar, tem-se o caso da Caixa Econômica Federal, que se propôs, em meses, a abrir 30 milhões de contas bancárias digitais para distribuir o auxílio emergencial.

Mesmo que muitos desses recipientes potencialmente não tivessem smartphone, ou até mesmo uma conta bancária, o evento desencadeou um incentivo enorme de se digitalizar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso também vale para diversos outros ramos forçados a se digitalizar diante de tais mudanças. Esse tipo de transformação levaria anos, talvez décadas, para se concretizar em um cenário normal.

Com o consumidor final se tornando mais digital, a penetração de soluções digitais aumentará, e o custo de aquisição de novos clientes diminuirá, à medida que a tecnologia deixa de ser uma barreira estrutural.

As empresas, também, se tornarão mais eficientes e flexíveis. Das startups até as companhias tradicionais, elas tiveram que se adaptar à tecnologia e suas estratégias diante da crise. Com as demissões, foram forçadas a ser mais eficientes na alocação de seus recursos.

Isso não exclui a realidade de que o curto prazo é, para a maioria, assustador. Mas a transformação cultural gerada pela pandemia atingirá todos os ramos.

Cabe a cada empreendedor – em seu ramo específico – mapear o “novo normal” em sua indústria para poder se preparar melhor para as oportunidades sem precedentes que estão surgindo.

Newsletter InfoMoney
Insira um email válido.
done Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Matheus Tavares dos Santos Matheus é analista de investimentos em fundos de hedge na maior asset management do mundo. Em cargos anteriores, ele foi trabalhou em um fundo de Venture Capital com foco na América Latina e teve experiencias em bancos brasileiros e norte-americanos assim como na bolsa de valores brasileira.

Compartilhe

Mais de Matheus Tavares dos Santos

Matheus Tavares dos Santos

A discrepância entre a economia real e o mercado

Crises sempre foram acompanhadas por uma desvalorização no preço de ativos. Mas, após 2008, os bancos centrais criaram uma receita para manter o preço dos ativos (mercado acionário e de títulos) estáveis de maneira artificial, mesmo durante uma crise. Eventualmente, com a retomada da economia, os preços mantidos artificialmente voltariam a fazer sentido.A crise gerada […]