Bolsonaro neutraliza STF com a escolha de Sergio Moro como ministro

A escolha do Sergio Moro fez com que Bolsonaro conquistasse maioria no STF (7 a 4), capaz de neutralizar, em termos relevantes, a oposição política desse Tribunal ao seu Governo. Haverá tentativas dos perdedores da velha política em usar o STF como trincheira para fazer oposição, mas o Sergio Moro vai saber lidar com isso e tirar de letra, evitando o confronto aberto. Apenas discussões marginais serão problemas (cotas, reservas indígenas, autonomia universitária, a soltura de um bandido ou outro), mas nada que afete a governabilidade ou políticas públicas relevantes.
Por  Alexandre Pacheco
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Com a Câmara e o Senado substancialmente renovados nesta eleição de 2018, o maior desafio para o Governo Bolsonaro concentrou-se no STF (Supremo Tribunal Federal), que é justamente o único poder da República que não se renova na base de eleição de direta.

Esse cenário é duríssimo para o Bolsonaro por uma razão muito simples: todos os atuais Ministros do STF foram nomeados pela classe política que subiu ao poder com a redemocratização a partir das eleições parlamentares de 1986, a chamada Geração 86, e que nunca mais saiu do Governo Federal. E é justamente essa classe política que Bolsonaro derrotou e quer manter afastada do poder.

O ponto é que o antagonismo entre Bolsonaro com a velha política e o STF não é apenas pessoal e de interesses. É também ideológico, diz respeito a valores e crenças. E isso tem potencial para fazer com que o jogo político seja difícil nos próximos anos. Vou explicar a questão ideológica.

Foi a Geração 86 que elaborou a Constituição Federal de 1988, e que com essa Constituição vem governando o país desde então. A Constituição é o vínculo ideológico que une essa classe política, da qual fazem parte toda a burocracia do Estado e até mesmo os Ministros do STF e os dos demais Tribunais Superiores.

Na prática, a Constituição vem servindo como uma espécie de regimento interno de um clube (classe política), do qual somente participa quem segue suas regras e valores. No linguajar da Constituição estão valores socialistas como “desenvolvimento social”, “desigualdades regionais”, “função social da propriedade”, “direitos sociais” e outras ideias vendidas como boas e salvadoras, mas que são a raiz do nosso atraso, pura e simplesmente porque não funcionam e porque são pretextos para o aumento infinito da burocracia e do Estado. O Brasil é o país dos “especialistas em distribuição de pobreza” por causa desses conceitos furados da nossa Constituição.

Essa Constituição, enfim, tem dois problemas, que dificultarão a Governo Bolsonaro:

– é hostil contra os militares, não pelo que está dito, mas pelo que não está dito (não atribui papel relevante às Forças Armadas no combate ao crime organizado e aos grupos terroristas, nem no policiamento das fronteiras e das imensas reservas florestais, que são justamente um importante habitat natural do crime organizado e dos terroristas);

– é ideológica, no sentido de que tem a pretensão de mudar o mundo com o “social” (justiça social, função social, desigualdade social), sendo que os Ministros do STF acreditam que eles mesmos seriam atores importantes para a realização dessa mudança, inclusive ativamente, mesmo quando o Congresso não legisla a respeito – e daí vem a ideia de “ativismo judicial”.

Um detalhe: nos últimos 30 anos, somente ocupou cargo civil relevante no serviço público federal brasileiro quem fez discursos agressivos abertos contra os militares (Forças Armadas e Polícias Estaduais). Ou seja, desde que os militares saíram do poder, ninguém virou no Brasil chefe nem mesmo de um simples almoxarifado sem pagar o pedágio de falar mal da Ditadura, contar histórias de perseguições políticas ou criticar a Lei de Anistia.

E é esse o perfil de servidores públicos que o Bolsonaro encontrará em Brasília: antimilitaristas e ideólogos socialistas. E esse conjunto de ideias também foi usado para selecionar a grande maioria dos Ministros do STF que temos hoje – em maior ou menor grau, todos eles são antimilitaristas (antipáticos a militares) e sociais-democratas. 

Bolsonaro representa tudo aquilo que os Ministros do STF foram programados, desde seu processo de escolha, para combater. É militar (da reserva), defende a propriedade privada, confia mais na cadeia do que na ressocialização do preso e é pragmático (no sentido de que não acredita em ideologias).

Além do mais, todos os Ministros do STF são profundamente ligados à velha classe política, que Bolsonaro derrotou nessas eleições. O choque entre Bolsonaro e o STF, portanto, seria praticamente inevitável, e vimos nos últimos dias “ensaios” vindos dos Ministros nesse sentido em discursos diretos e indiretos contra ele.

Mas Bolsonaro deu um passo forte para neutralizar essa rejeição do STF ao seu Governo: trouxe para sua equipe alguém que, hoje, é muito mais do que uma pessoa – é uma instituição. Sergio Moro hoje é uma figura pública muito maior do que o STF, por mérito pessoal dele (que combateu eficientemente os bandidos amontoados na classe política, encarcerando vários deles – o que parecia ser impossível) e também por demérito institucional do STF e pessoal de alguns Ministros (que vacilaram e vem vacilando em julgamentos-chave para a Lava Jato, além de virem soltando bandidos semanalmente, e ainda estarem montando o circo da soltura do Lula com o re-julgamento da prisão em segunda instância).

Se fizermos uma pesquisa hoje junto à população, Sergio Moro apareceria como alguém com muito maior popularidade do que o STF, não é? Popularidade significa poder, porque é um indicador do lado que a população ficará em situações de grave conflito. E se “instituição”, em termos políticos, significa órgãos que concentram poder, podemos dizer que hoje o Sérgio Moro é uma instituição, e uma instituição muito maior do que o STF.

Além da sua popularidade, Sergio Moro é um jogador competente, prudente, paciente. Sabe apresentar-se perante o STF sem entrar em conflito aberto e seu histórico de êxito na manutenção de suas decisões no STF é de muito maior êxito do que de perdas. Essas eleições, aliás, demonstraram que Sergio Moro fez sozinho a Reforma Política que o Brasil precisava: colocar na cadeia bandidos que estavam fantasiados de políticos. E fez isso sem ter poder para mudar as leis. Jogou com as regras que tinha,

Desde a aceitação do convite por Sergio Moro, já passamos a observar maior comedimento dos Ministros do STF nas críticas públicas ao Bolsonaro. É bem verdade que há uma minoria radicalizada de 4 Ministros no STF, empenhada em salvar a velha classe política. Mas os demais Ministros agrupam-se em duas classes: 5 mais pragmáticos do que ideológicos e 2 mais ideológicos do que pragmáticos. E esses últimos 7 Ministros são antipáticos ao crime e usam a razão que se espera de um juiz em momentos-chave para a vida nacional.

A escolha do Sergio Moro fez com que Bolsonaro conquistasse maioria no STF (7 a 4), capaz de neutralizar, em termos relevantes, a oposição política desse Tribunal ao seu Governo. Haverá tentativas dos perdedores da velha política de usar o STF como trincheira para fazer oposição, mas o Sergio Moro vai saber lidar com isso e tirar de letra, evitando o confronto aberto. Apenas discussões marginais serão problemas (cotas, reservas indígenas, autonomia universitária, a soltura de um bandido ou outro, etc), mas nada que afete a governabilidade ou políticas públicas relevantes.

O STF não é mais uma barreira intransponível para o Bolsonaro. Passou a ser um problema “administrável”. E isso foi alcançado com a escolha de Sergio Moro. 

Alexandre Pacheco é Advogado, Professor de Direito Empresarial e Tributário e Doutorando/Mestre em Direito.

Siga Alexandre Pacheco no Linkedin, no Youtube e no Twitter

Quer proteger seus investimentos das incertezas da economia? Clique aqui e abra sua conta na XP Investimentos 

Alexandre Pacheco Professor de Direito Empresarial e Tributário da FGV/SP, da FIA e do Mackenzie, Doutor em Direito pela PUC/SP e Consultor Empresarial em São Paulo.

Compartilhe

Mais de Jogo das regras

Jogo das regras

Reforma Tributária: o peso das obrigações legais no Brasil e a chamada “simplificação”

Seria mais prudente manter a essência do sistema tributário como existe hoje, reduzindo obrigações legais e complexidades na apuração de tributos. Eventualmente, criando um tributo temporário, para rápida redução do déficit fiscal e do endividamento, uma vez que o corte de gastos não pode ser feito na velocidade que é necessária para alcançar o rápido equilíbrio das contas públicas.
Jogo das regras

O que impede a redução da carga tributária brasileira

Não é possível reduzir, neste momento, a carga tributária do país, infelizmente. O Brasil gasta muito mais do que arrecada e está no cheque especial. Se reduzir seus tributos, o déficit público poderá aumentar em uma velocidade maior do que os ganhos de produtividade que a redução da carga tributária seria capaz de trazer.
Jogo das regras

O que, de fato, há de errado com os tributos no Brasil?

Obviamente a carga tributária elevada do Brasil é um freio brutal para o desenvolvimento do país, massacrando a população em geral. É um redutor significativo do investimento nacional e estrangeiro, razão de fuga de capitais brasileiros para o exterior e causa de agravamento da pobreza não somente de empresários, mas também da população mais carente, que também paga pesados tributos, e que ainda sofre com o desemprego causado por esse cenário econômico ruim, agravado pela tributação.
Jogo das regras

Reforma Tributária: Guerra de vaidades em 5 fronts

Estamos assistindo a um desejo dos envolvidos na Reforma Tributária de mudar por mudar o sistema tributário, com a disputa pela autoria de ideias supostamente geniais, para que os nomes dos autores que vencerem essa disputa perigosa sejam colocados em uma placa, em manchetes de jornais ou em posts das redes sociais.
Jogo das regras

Os caminhoneiros querem uma dentadura na forma de óleo diesel

Não deixa de ser engraçado ver os críticos dessa situação atacando o Bolsonaro como se ele não tivesse sido eleito por eleitores chantagistas. E como se ele, ainda, não tivesse concorrido com outros candidatos que também prometeram suas dentaduras, em um país que se move por esse racional desde que se começou a praticar eleições por aqui.
Jogo das regras

A Reforma Tributária da Câmara dos Deputados virou pauta bomba

Não se faz Reforma Tributária apenas com ideias e com "articulação política": faz-se com a experiência do corpo técnico do Governo e com números oficiais. E esse ato de prudência é necessário porque uma mudança legislativa dessa envergadura vai afetar milhões de pessoas e milhares de empresas, além de sujeitar os cofres públicos a riscos de perdas arrecadatórias que, em um cenário de déficit fiscal, podem piorar as condições já ruins das contas públicas.
Jogo das regras

Presidente Bolsonaro caminha para a desastrosa tributação dos dividendos

Na eleição passada, quase todos os candidatos a Presidente defenderam publicamente a tributação dos dividendos. Podemos dizer, ainda, que tal solução conta com a simpatia da "classe falante", dos chamados "formadores de opinião". O que surpreende é que a tributação dos dividendos, sendo uma pauta do espectro político da esquerda, tenha sido adotada pelo Presidente Bolsonaro - por isso eu acredito que ele não percebeu as variantes dessa discussão, sendo que ainda há tempo para ele se informar a respeito e arquivar essa ideia ruim.