O que esperar das primárias democratas em New Hampshire?

Média das pesquisas mostram Sanders com 25,5%, Biden com 17% (caindo na margem), Buttigieg com 15% (subindo na margem) e Warren com 14%
Por  Ivo Chermont -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Inegavelmente, as primárias de Iowa tiveram dois perdedores, o partido democrata, pela confusão na apuração dos votos, e principalmente, o candidato moderado, Joe Biden.

As pesquisas indicavam que Biden terminaria o caucus muito próximo ao socialista Bernie Sanders. E, mais uma vez, os institutos de pesquisa não conseguiram capturar a opinião popular. Esta, não só mostrou Sanders muito a frente de Biden como surpreendeu colocando o também moderado Pete Buttiegieg empatado com Sanders na primeira colocação.

A próxima primária, New Hampshire, ocorre na próxima terça-feira, dia 11 de fevereiro. É inevitável voltarmos às pesquisas. Ruim com elas, pior sem elas.

Os números indicam vitória folgada de Sanders. A média das últimas pesquisas mostram Sanders com 25,5%, Biden com 17% (e caindo na margem), Buttigieg com 15% (e subindo na margem) e Warren com 14%.

A ala à esquerda do partido possui algumas vantagens nas primárias de New Hampshire e não será surpresa nenhuma que os números das urnas mostrem vantagens até maiores do que estão nas pesquisas.

Vantagem 1: home bias – New Hampshire faz fronteira com três estados Americanos. Além de Nova York, que usualmente tem um voto mais progressista, tem nas suas vizinhanças o estado de Vermont, do qual Bernie Sanders é senador, e Massachussets, que possui Elizabeth Warren como um de seus senadores. Ou seja, os progressistas vão “jogar em casa”.

Vantagem 2: demografia – Cerca de 95% da população do Estado é composta de brancos e alta escolaridade. New Hampshire é o segundo estado com mais anos de estudo nos EUA só ficando atrás de Montana. A demografia do voto mostra que democratas brancos e escolarizados tem uma maior tendência a votar pelos candidatos mais progressistas.

Em 2016, na disputa entre Hillary Clinton e Bernie Sanders, este ficou com 60% dos votos. O histórico dos votos democratas no Estado reflete a questão demográfica citada acima. Usualmente vence no Estado o candidato progressista.

Se pudermos mencionar alguma desvantagem dos progressistas é a idade média do Estado. É o segundo estado mais velho dos EUA, com uma média de idade superior a 43 anos, só perdendo para o Maine. E a demografia do voto democrata é inequívoca em mostrar que quanto mais velho, menos progressista e mais favorável a candidatos moderados.

Pela vantagem construída por Sanders sobre Biden em Iowa, as primárias em New Hampshire ganham importância para que o mais novo favorito Sanders ganhe corpos de vantagem sobre Biden e almeje, quem sabe, vencer até nos Estados em que Biden surge como franco favorito, como é o caso de South Carolina, a terceira primária, ainda no mês de fevereiro.

Fevereiro passou a ser um mês chave nessas eleições democratas. Pelo lado de Biden, não é preciso que ele vença em New Hampshire. Mas ele não pode ir tão mal quanto foi em Iowa sob risco de perder a mão do seu eleitorado mais fiel.

Para Sanders, é a chance de ele entrar na Super Tuesday (dia 3/3) com enorme favoritismo, o que também ganha pontos entre eleitores. Por fim, tem o azarão Buttigieg que pode continuar surpreendendo e entrar na Super Tuesday como o grande candidato da ala moderada do partido.

*As opiniões do autor refletem uma visão pessoal e não necessariamente da Instituição Quantitas Asset

Ivo Chermont Sócio e Economista-chefe da Quantitas Asset

Compartilhe

Mais de Ivo Chermont

Ivo Chermont

Está na hora da política fiscal? Desafios em um mundo nacionalista

Em tempos de guerra comercial e taxas de juros zero ou negativas, parece ter pouco espaço de manobra para políticas monetárias estimulativas, restando às políticas fiscal e creditícia a tarefa de ressuscitar economias que parecem ter dificuldade de crescer mesmo com todo estímulo injetado na última década. EUA e China adotaram políticas de expansão nos últimos anos, enquanto que a Alemanha acumulou superávit. O continente precisará repensar seu modelo de crescimento baseado em exportações em um mundo cada vez mais nacionalista. 
Ivo Chermont

Guerra travada por EUA e China não é só comercial: ela é tecnológica

A guerra Trump-Xi subiu de tom. Há um tempo já se percebeu que não se trata de reduzir o déficit comercial dos americanos contra os chineses, mas de limitar a capacidade de um competidor global na tecnologia de ponta. Nessa reedição da guerra nas estrelas, os EUA parecem ter mais alavancagem, mas não vai ser simples exercê-la. Os chineses têm tempo, paciência e espaço de manobra econômica para aguentar por muito mais tempo. 
Ivo Chermont

O rio corre pro mar – os juros podem ir abaixo de 5% no Brasil?

Em julho, o Banco Central deve começar um novo ciclo de corte para o menor patamar de juros da nossa história. Mais importante do que isso, existe um ambiente positivo para que ele permaneça nesse patamar mais baixo por um longo tempo. Como diria nosso ministro da economia, "isso aqui tem um enorme risco de dar certo"