Guerra travada por EUA e China não é só comercial: ela é tecnológica

A guerra Trump-Xi subiu de tom. Há um tempo já se percebeu que não se trata de reduzir o déficit comercial dos americanos contra os chineses, mas de limitar a capacidade de um competidor global na tecnologia de ponta. Nessa reedição da guerra nas estrelas, os EUA parecem ter mais alavancagem, mas não vai ser simples exercê-la. Os chineses têm tempo, paciência e espaço de manobra econômica para aguentar por muito mais tempo. 

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)

Já está claro que a Guerra comercial travada por Trump há mais de dois anos não tem nada de puramente comercial. O objetivo não pode ser apenas reduzir o déficit de US$ 200 bilhões a US$ 300 bilhões entre os dois países.

Os objetivos são maiores e têm relação com a importância que a China vem obtendo ano a ano no mercado de inteligência artificial, robótica e todo aquele cenário Blade Runner que volta e meia a gente se depara em vídeos institucionais ou relatos de viajantes para a China ou Vale do Silício. E é por isso que a Huawei está no centro da disputa. Voltaremos a isso um pouco abaixo.

Na semana passada, Trump anunciou que pretende elevar para 10% as tarifas nos últimos US$ 300 bilhões que os Estados Unidos importam em bens chineses. No final de semana, a moeda chinesa ultrapassou a marca de CNHUSD 7, algo quase sem precedente e sinalizou para muitos uma intenção por parte do governo chinês de elevar o tom da guerra ao usar desvalorizações cambiais.

PUBLICIDADE

Os riscos subiram muito nos últimos dias As estocadas de lado a lado são mais consequência de uma situação de paralisia nas negociações do que a causa. O que está realmente acontecendo é que os dois lados da moeda parecem acreditar que tem muita alavancagem sobre o outro e, tão importante quanto isso, tem espaço de manobra econômica para não negociar, se dando ao luxo de tentar esticar a corda até que o outro lado pisque e ceda.

A desvantagem do lado americano é o tempo. Trump tem uma eleição para enfrentar em 2020. Então, sua habilidade tem que ser extrema para a corda não arrebentar e acabar gerando uma recessão e um recuo das bolsas que torne sua reeleição improvável. Ainda parece estarmos longe dessa situação. O Fed pode cortar os juros, o espaço fiscal ainda pode ser usado e há uma explícita intenção em usá-los, como na concessão de subsídios para o importante setor agrícola americano.

No lado chinês, as restrições políticas temporais são menores, mas não são pequenas. Na China, a história conta. E fazer ilimitadas concessões aos americanos coloca Xi Jinping em uma posição difícil tendo em vista a grande resistência que os chineses tem de se colocar vulneráveis a forças globais. A vantagem chinesa é a maior desregulação institucional do país, que dá ao governo espaço importante de ação fiscal, creditícia, monetária e, por que não, cambial.

Em resumo, nenhum dos dois lados vê vantagens políticas ou necessidades econômicas para seguir uma negociação agora que seja visto como muito vantajosa para o rival.  

E no meio disso, está o setor de tecnologia. E aí o emaranhado e as interdependências dos países são maiores ainda.

Por um lado, a China possui a maior e principal empresa de 5G, a Huawei. As duas únicas competidoras mundiais seriam as nórdicas Nokia e Ericsson. Caso os EUA tomem medidas extremas a ponto de asfixiar a empresa, estima-se que o impacto que teria sobre os preços da tecnologia 5G seria gigantesco. Portanto, os EUA possuem uma certa dependência da Huawei.

PUBLICIDADE

Por outro lado, para a China desenvolver tecnologia, faz-se necessário um setor de semicondutores, cujo maior ofertante global, de longe, é os EUA. Portanto, a China tem duas alternativas, ser um ótimo cliente dos semicondutores americanos ou demorar alguns anos para talvez desenvolver o próprio. Até lá, a China terá ficado para trás.

E o labirinto continua. Para o setor tecnológico americano, há um insumo necessário chamado de “terras raras”. Cerca de 80% da produção dessas terras raras vem da China.

É isso mesmo. Há uma situação de quase monopólio e quase monopsônio [estrutura de mercado caracterizada por haver um único comprador para o produto de vários vendedores] de um lado a outro que torna quase inviável imaginar que os dois países vão romper de vez. Há muita coisa em jogo. E tampouco há um interesse que isso aconteça.

Portanto, se o entrelaçado tecnológico dos países torna o divórcio impossível na prática, e as restrições político-econômicas torna o casamento improvável no curto prazo, a solução de curto prazo que parece se apresentar como mais provável é que fiquemos nesse meio do caminho por um longo período, em pequenos ciclos de estresse e alívio.

No entanto, acreditamos também que esses pequenos momentos de ataque de um ao outro vão criando feridas difíceis de cicatrizar. E na nossa avaliação, os americanos têm mais armas fatais.

Os chineses possuem esse monopólio de produção das terras raras, mas não são os únicos que possuem esse insumo. Austrália e a Califórnia também a possuem, mas não a produzem por ser muito poluente.

A China possui uma grande quantidade de títulos do tesouro americano. Podem vender a mercado e machucar a economia deles? Parece provável que existe um burocrata genial na China que consiga administrar US$ 3 trilhões em treasury sem afetar o próprio valor das reservas chinesas? Pequenos sustos e estocadas vindas dai pode até ser possível, mas desconfiamos que isso não é possível como estratégia estrutural. Além do mais, eles venderiam as reservas e alocariam aonde? Em títulos negativos de países desenvolvidos? A moeda segue a mesma ideia. Eles poderiam fazer uma desvalorização mais acentuada da sua moeda.

Mas, lembremos que os chineses estão há muitos anos tentando tornar o remimbi uma moeda global, utilizada no comércio intra-asiático. Não me parece que desvalorizar de maneira aguda sua moeda vá ao encontro a esse objetivo maior e de longo prazo. E os chineses poderiam fechar seus mercados, tornar-se hostis a grandes empresas americanas. Se há aliado importante da China dentro dos EUA são as grandes empresas, que inibem Trump de traçar medidas mais radicais. Então, criar um ambiente ruim com Google, Amazon, Facebook, entre outros, não me parece também uma boa estratégia.

Elencando assim, fica fácil perceber que a China não possui tantas armas quanto sugerem sua força econômica. Seu líder, Xi Jinping, por isso mesmo, terá que administrar a pressão interna e externa e tentar ganhar terreno à medida que a economia americana mostrar alguma fraqueza.

Do lado americano, como falei, a maior restrição é a eleição e a dificuldade que Trump teria no caso de uma recessão ou um grande ajuste no mercado de ações. Suas armas são fortes nos ataques para a China.

Além do quase monopólio no mercado de semicondutores, que citei anteriormente, Trump tem feito uso das tarifas para tentar atingir a China e, o que seria extremo, mas possível, aumentar a lista de restrição de exportações. Esse tipo de mecanismo cria um obstáculo para que empresas chinesas adquiram insumos de empresas americanas, o que no limite pode asfixia-las e torna-las inoperantes, como já ocorreu com uma empresa chamada Fujian Jinhua.

Em resumo, estamos presos nessa armadilha e será difícil desarmar a bomba em um curto espaço de tempo. Que tenhamos armas para nos proteger das nuvens negras que se desenham no horizonte.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

*Ivo Chermont é sócio e economista-chefe da Quantitas Asset

*As opiniões do autor refletem uma visão pessoal e não necessariamente da Instituição Quantitas Asset

 

Ivo Chermont

Sócio e Economista-chefe da Quantitas Asset