Eleições americanas: back to basics

Vamos colocar todos na mesma página quanto ao processo eleitoral e depois disso avançar sobre a avaliação das pesquisas e temas
Por  Ivo Chermont -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O tema “eleição americana” foi invadido pela Covid-19 e tornou as primárias democratas um evento de menor importância. Em junho, com uma melhora da pandemia, e o pontapé inicial dado na campanha de Donald Trump em Tulsa, Oklahoma, precisamos voltar a olhar de perto os números, as pesquisas, o processo eleitoral nos Estados Unidos.

Mas, antes disso, cabe colocarmos todos na mesma página quanto ao processo eleitoral e depois disso avançar sobre a avaliação das pesquisas e temas.

A escolha do presidente americano acontece pelo sistema do colégio eleitoral. Dos 50 Estados + Washington DC, apenas dois, Maine e Nebraska, se diferenciam por alocar seus delegados de maneira distrital, enquanto nos outros 48 Estados + DC, quem vence no Estado leva todo os delegados.

O colégio eleitoral de cada Estado é composto pelo mesmo número de membros no Congresso (Câmara + Senado). Hoje em dia, são 100 senadores + 435 deputados = 535 delegados + 3 delegados alocados para DC, somando 538 membros do colégio eleitoral. Ou seja, o candidato que tiver 50%+1 (ou 270 delegados) é eleito Presidente da República.

Por isso, torna-se fundamental fazer uma análise segmentada e estadual. Podemos separar 3 tipos: fortemente republicano (FR), fortemente democrata (FD) e swing states (SS).

Hoje 15 estados + DC (ou 196 delegados) são FD, 24 estados (ou 206 delegados) são FR e cerca de 10 são swing states, ou seja, estados em que não há uma tendência ideológica-partidária clara da população e ora dão vitória ao candidato Republicano, ora ao Democrata.

São 136 delegados em jogo nesses 10 locais: Arizona, Florida, Iowa, Michigan, Nevada, New Hampshire, North Carolina, Ohio, Pennsylvania e Wisconsin. São nesses estados que os pleitos se resolvem todo ano.

Esses Estados não são homogêneos e merecem uma análise individual, que será feita nas próximas semanas. Emprego, impostos, saúde/pandemia, raça e desigualdade são os temas chaves para a disputa de novembro desse ano. E é sob o ponto de vista de cada um desses tópicos que tentaremos traçar as chances de Trump e Biden em cada swing state.

Ivo Chermont Sócio e Economista-chefe da Quantitas Asset

Compartilhe

Mais de Ivo Chermont

Ivo Chermont

Está na hora da política fiscal? Desafios em um mundo nacionalista

Em tempos de guerra comercial e taxas de juros zero ou negativas, parece ter pouco espaço de manobra para políticas monetárias estimulativas, restando às políticas fiscal e creditícia a tarefa de ressuscitar economias que parecem ter dificuldade de crescer mesmo com todo estímulo injetado na última década. EUA e China adotaram políticas de expansão nos últimos anos, enquanto que a Alemanha acumulou superávit. O continente precisará repensar seu modelo de crescimento baseado em exportações em um mundo cada vez mais nacionalista. 
Ivo Chermont

Guerra travada por EUA e China não é só comercial: ela é tecnológica

A guerra Trump-Xi subiu de tom. Há um tempo já se percebeu que não se trata de reduzir o déficit comercial dos americanos contra os chineses, mas de limitar a capacidade de um competidor global na tecnologia de ponta. Nessa reedição da guerra nas estrelas, os EUA parecem ter mais alavancagem, mas não vai ser simples exercê-la. Os chineses têm tempo, paciência e espaço de manobra econômica para aguentar por muito mais tempo. 
Ivo Chermont

O rio corre pro mar – os juros podem ir abaixo de 5% no Brasil?

Em julho, o Banco Central deve começar um novo ciclo de corte para o menor patamar de juros da nossa história. Mais importante do que isso, existe um ambiente positivo para que ele permaneça nesse patamar mais baixo por um longo tempo. Como diria nosso ministro da economia, "isso aqui tem um enorme risco de dar certo"