Uma transformação no turismo dos mercados emergentes

Mark Mobius comenta sobre as viagens aos mercados emergentes e analisa as mudanças na infraestrutura, lazer, turismo e indústria.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)

Recentemente, escrevi um blog sobre as oportunidades em lazer e entretenimento nos mercados emergentes, incluindo a indústria do turismo. Com uma melhor infraestrutura e mais acesso a voos com preços razoáveis, mais viajantes estão conseguindo explorar locais exóticos, sobre os quais até então haviam apenas lido ou visto na televisão. E não são apenas as pessoas dos mercados desenvolvidos que estão apreciando o cenário. Muitos habitantes de mercados emergentes também estão com mais renda discricionária disponível para desfrutar de viagens de lazer.

Viajar para os mercados emergentes atualmente é muito mais fácil e rápido. Em alguns lugares, novos aeroportos e estações de trem até mesmo se igualam ou superam os dos mercados desenvolvidos. Quando comecei na área de pesquisa, há mais de 40 anos, viagens aéreas simplesmente não existiam em muitos países em desenvolvimento. Haviam poucos aeroportos e ainda menos companhias aéreas. Os aviões também eram menos eficientes e não conseguiam viajar as distâncias que atingem hoje.

A infraestrutura de solo era igualmente precária, com estradas ruins e trens limitados ou inexistentes. Uma viagem de pesquisa que fiz para a Indonésia, naquela época, serve de exemplo de como era difícil se locomover de um lugar para outro. Meu objetivo era estudar a manufatura de sabão na Indonésia, o que exigiu que eu cobrisse todo o país, do norte de Sumatra até a ponta sul de Bali. Haviam poucos voos diretos e a viagem envolveu pequenos aviões, ônibus, táxis, balsas, motocicletas e até mesmo bicicletas! A minha jornada era muitas vezes bastante exaustiva, mesmo antes de começar meu trabalho.

Comecei em Medan e viajei para Palembang e outras partes da Indonésia para visitar as fábricas de sabão, frequentemente por estradas de terra esburacadas. Não haviam muitos hotéis, no sentido moderno da palavra, então parei em tradicionais pousadas indonésias (chamadas de losmen) que eram locais pequenos, frequentemente extensões da casa de alguma pessoa.

Ao chegar em Bali, descobri que meu passaporte ainda estava no losmen de Surabaya. Naquela época, o pessoal dos losmen ou dos hotéis costumava pedir o passaporte dos hóspedes, ficando com ele até o dia da partida. Nesse caso, eles haviam esquecido de devolvê-lo para mim. Na pressa de chegar ao meu próximo destino, esqueci de pedir o passaporte ao encerrar a minha conta.

Perder meu passaporte poderia ter sido um grande desastre, mas felizmente a grande gentileza e hospitalidade do povo indonésio fez com que ele me fosse devolvido com rapidez e segurança. A polícia de Bali foi muito gentil e me ajudou a ligar para o losmen de Surabaya, que enviou meu passaporte para Bali no próximo ônibus. Precisei atrasar a minha viagem em um dia para aguardar a chegada do passaporte, mas fiquei muito grato em tê-lo de volta, uma vez que não poderia prosseguir sem ele.

Atualmente, um número crescente de visitantes de todo o mundo pode desfrutar das muitas atrações da Indonésia, viajando pelo país muito mais facilmente do que eu podia naquela época. O governo priorizou o turismo, o que parece estar dando certo. A Indonésia saltou para o 50º lugar, em 2015, do 70º em 2013, no relatório de competitividade em viagens e turismo, do Fórum Econômico Mundial1. Apesar de ainda ser necessário um maior investimento em infraestrutura na Indonésia, as viagens aéreas se expandiram bastante. Hoje já posso visitar várias empresas da Indonésia em um único dia e usar meu próprio telefone celular para pedir ajuda ou tomar providências, na maior parte do país.

O turismo é importante para a Indonésia, assim como para muitos outros países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Association of Southeast Asian Nations, ASEAN)2. Por exemplo, em 2015 as viagens e o turismo responderam, direta ou indiretamente, por quase 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do Camboja, e por mais de 20% do PIB da Tailândia3.

É importante mencionar que os economistas descobriram que o turismo tem um grande impacto em uma ampla faixa da população, por meio do chamado “efeito multiplicador”. Isso significa que o dinheiro dos turistas chega diretamente aos setores de varejo e hospedagem da economia, onde muitas pessoas de baixa ou média renda trabalham.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os turistas chineses estão se aventurando para fora de suas fronteiras em números crescentes, e fazem parte importante do crescimento do turismo na Ásia e em outras partes do mundo. Em 2000, aproximadamente 10 milhões de turistas chineses visitaram os países da ASEAN mas, em 2015, esse número subiu para 78 milhões4.  Os destinos da ASEAN, combinados, receberam 21% dos visitantes que saíram da China em 20155. Por essa razão, vale a pena analisar algumas tendências e desenvolvimentos em viagens e lazer, na China.

Viagens de e para a China

A expansão do setor de turismo da China é bastante notável. Durante o feriado do Dia Nacional, em outubro de 2016 (também chamado de “Semana de Ouro”), mais de 590 milhões de viagens domésticas foram feitas por toda a China, um aumento de 13% sobre o mesmo período de 20156. O gasto total com turismo chegou a RMB 421 bilhões, 14% a mais do que no ano anterior, e os chineses também gastaram um volume recorde de dinheiro em comida e em compras durante a semana do feriado. Os chineses também não estão apenas fazendo viagens domésticas durante seus feriados. Marrocos foi citado como um forte destino para os turistas Chineses durante a Semana de Ouro, no ano passado, e no Ano Novo Lunar deste ano os turistas chineses viajaram em grandes números para outros países da Ásia, bem como para a Europa e a América do Norte.

Desde 2004, a China teve um crescimento de dois dígitos nos gastos a cada ano, sendo o líder mundial em viagens para o exterior7.

Há algumas décadas, as viagens de lazer eram desconhecidas para a maioria dos cidadãos chineses. Atualmente, muitos consumidores chineses possuem mais renda disponível para viagens e lazer. Em 2001, apenas 3% da população da China era considerada de classe média, mas em 2011 esse número cresceu para 18% da população.8 Em termos absolutos, isso significa que mais de 200 milhões de pessoas chegaram à classe média9. Apesar da China apresentar a maior população de classe média do mundo, em números absolutos, ela ainda está abaixo da média global em termos percentuais.

Ainda assim, a renda disponível per capita tem aumentado nas famílias urbanas, crescendo em torno de 165% de 2006 até 2015 e chegando a 31.195 yuan (US$ 4.551)10.

Segundo um relatório da Economist Intelligence Unit, em 2030, trinta e cinco por cento da população chinesa (representando em torno de 480 milhões de consumidores) deverá atingir os níveis de renda média-alta e alta, com os consumidores de renda média-alta possuindo uma renda disponível de RMB 67.000–200.000 (US$ 10.800–32.100) e os consumidores de alta renda possuindo uma renda disponível acima de RMB 200.000 (US$ 32.100).11

Atividades de lazer na China

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A criação de atividades de lazer na China está em andamento, de modo que eu antevejo mais desenvolvimentos nessa área. O governo chinês decretou um aumento na participação percentual dos setores de serviços no PIB, como parte de um esforço para mudar a orientação da economia do país, da manufatura e exportação para o crescimento doméstico.

No sul da China, Macau desenvolveu um enorme setor de serviços com base nos jogos de azar e é conhecida como a “Las Vegas da China”, mas está se tornando um centro de entretenimento em geral, que continua a crescer. Macau (também pode ser escrito Macao) é uma região semi-autônoma na costa sul da China, que foi um território Português até 1999. Atualmente, ela é formalmente conhecida como a Região Administrativa Especial de Macao, da República Popular da China.

Em uma recente visita a Macau, meus colegas e eu visitamos um resort de águas termais que tínhamos visto no passado. Quando ele abriu, há 10 anos, as instalações eram bastante impressionantes, mas a manutenção havia se deteriorado desde então e a atração, antes lotada de gente, tinha apenas alguns visitantes nesta última visita. Isso demonstra que se você construir, as pessoas potencialmente virão, mas você precisa mantê-lo. Como investidor, isso também demonstra a importância de ver e analisar pessoalmente uma situação. Mesmo quando algo parece promissor, as condições podem se alterar rapidamente. É importante descobrir o por quê.

Nossas viagens à ilha de Hengqin, em Zhuhai, exemplificou as melhorias em infraestrutura que temos visto nas últimas décadas, na região. Zhuhai tornou-se uma Zona Econômica Especial (ZEE) no final dos anos 70, com a política do governo que abriu uma “janela” para Macau e o mundo exterior. As ZEEs ofereciam incentivos especiais aos investidores, incluindo alíquotas de impostos mais favoráveis e menos burocracia. O status de ZEE de Zhuhai significava que haveria um aumento nos gastos com infraestrutura, e vimos várias evidências disso.

Atualmente, existem diversos projetos em vários estágios de execução para beneficiar as principais áreas da zona, e particularmente para ajudar no desenvolvimento das áreas costeiras da China. O projeto de uma ponte e um túnel entre Hong Kong, Zhuhai e Macau ainda está em construção, mas quase concluído, e aumentará a ligação entre as regiões, provavelmente atraindo ainda mais visitantes.

Durante as minhas viagens para a China e pelo país, ao longo dos anos, vi muitos novos desenvolvimentos, incluindo novas coisas para fazer e para ver, mais do que se poderia contar.

As pessoas com noções antiquadas sobre a China serão recebidas com trens rápidos e confiáveis, shopping centers novos e cinemas, estádios esportivos e outras atrações bastante impressionantes para os turistas. Ainda há bastante necessidade de desenvolvimento em infraestrutura na China. Além disso, se a população consumidora continuar a expandir em quantidade e poder de compra, sem dúvida haverá muito mais mudanças e oportunidades de investimento a caminho!

Os comentários, as opiniões e as análises do Mark Mobius são apenas para fins informativos e não devem ser considerados como uma consultoria de investimento, uma recomendação para investir em qualquer ativo ou para adotar qualquer estratégia de investimento. Uma vez que as condições econômicas e de mercado estão sujeitas a mudanças rápidas, as opiniões, as análises e os comentários são oferecidos com base na data da publicação e podem ser alterados sem aviso prévio. Este material não tem como objetivo ser uma análise completa de todos os fatos importantes em relação a qualquer país, região, mercado, setor, investimento ou estratégia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Informações legais importantes

Todos os investimentos envolvem riscos, inclusive uma possível perda de principal. Os ativos estrangeiros acarretam riscos especiais, incluindo flutuações cambiais, instabilidades econômicas e acontecimentos políticos. Os investimentos em mercados emergentes, dos quais os mercados de fronteira são um subconjunto, acarretam riscos mais elevados em relação aos mesmos fatores, além dos riscos relacionados ao menor tamanho desses mercados, à menor liquidez e à menor estrutura jurídica, política, comercial e social estabelecida para fornecer suporte aos mercados de valores mobiliários. Como essas estruturas são normalmente até menos desenvolvidas em mercados de fronteira, assim como vários fatores incluindo o maior potencial para alta volatilidade de preços, falta de liquidez, obstáculos ao comércio e controles cambiais, os riscos associados a mercados emergentes são mais altos em mercados de fronteira. Os preços das ações oscilam, às vezes de forma rápida e drástica, devido a fatores que afetam certas empresas, determinadas indústrias ou setores, ou devido a condições gerais de mercado.

________________________________________________________

1. Fonte: Fórum Econômico Mundial: “The Travel & Tourism Competitiveness Report 2015”.

2. Os países da Associação das Nações do Sudeste Asiático são: Brunei Darussalam, Camboja, Laos, Indonésia, Mianmar, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

3. Fonte: Conselho Mundial de Viagens e Turismo, “Travel & Tourism Investment in ASEAN”, outubro de 2016.

4. Ibid.

5. Ibid.

6. Fonte: Administração Nacional de Turismo da China, outubro de 2016.

7. Fonte: Organização Mundial do Turismo, dados de 2015.

8. Fonte: Pew Research Center, “A Global Middle Class Is More Promise Than Reality”, 8 de julho de 2015. Segundo definição desse estudo, pessoas com renda média vivem com US$ 10 a US$ 20 por dia, o que significa uma renda anual de US$ 14.600 a US$ 29.200 para uma família de quatro pessoas.

9. Ibid.

10. Fonte: Escritório Nacional de Estatística da China

11. Fonte: Economist Intelligence Unit, “The Chinese Consumer in 2030.” Não há garantia de que qualquer estimativa, previsão ou projeção se realizará.

 

Mark Mobius

Possui mais de 40 anos de atuação em mercados emergentes em todo o mundo e atualmente é o presidente-executivo da Templeton Emerging Markets Group. Ao longo de sua carreira recebeu diversas premiações, com destaque para uma das 50 pessoas mais influentes do mundo pela revista Bloomberg Markets, em 2011; e uma das 100 pessoas mais poderosas e influentes, pela Asiamoney, em 2006. Formado pela Boston University, é Ph.D. em economia e ciências políticas pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT).