Perspectiva para as ações dos mercados emergentes

Mark Mobius e Stephen Dover, diretor executivo e Chief Investment Officer da Templeton Emerging Markets Group e da Franklin Local Asset Management, apresentam um panorama para as ações dos mercados emergentes em 2017.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Em 2016, os mercados emergentes começaram fracos, com as ações sendo negligenciadas em função das preocupações com a economia chinesa e a queda dos preços do petróleo. Entretanto, à medida que o ano avançava, fatores positivos renovaram a confiança dos investidores e levaram ao fortalecimento dos mercados emergentes, o que nós da Templeton Emerging Markets Group consideramos uma forte base para as ações dos mercados emergentes, conforme olhamos para 2017. Neste documento, Stephen Dover, diretor executivo e Chief Investment Officer da Templeton Emerging Markets Group e da Franklin Local Asset Management, e eu apresentamos a nossa perspectiva para as ações dos mercados emergentes para o próximo ano.

Crescimento sólido, com força e suporte para as métricas de valor

Após uma melhora recente, esperamos que os avanços macroeconômicos continuem em 2017. Isso seria positivo para oportunidades de crescimento da receita bruta, bem como para a perspectiva dos lucros das ações dos mercados emergentes.

Acreditamos que, embora o crescimento do produto interno bruto (PIB) esteja fazendo avanços em vários países dos mercados emergentes, é provável que nos próximos anos vejamos maiores avanços em economias de tamanho significativo, como a Rússia e o Brasil. As economias desses dois países ainda estão se contraindo, mas eles estão em uma trajetória de melhoria e poderão influenciar significativamente a taxa de crescimento de todo o grupo, se continuarem a progredir. Enquanto isso, o crescimento da China, que tem sido uma grande preocupação para muitos observadores, apresentou sinais de estabilidade e permanece em um forte nível, comparado à maioria das outras grandes economias. No terceiro trimestre de 2016, o crescimento ano a ano do PIB ficou em uma taxa de 6,7%, compatível com o ritmo relatado nos dois trimestres anteriores.

De modo geral, esperamos ver o crescimento do PIB dos mercados emergentes em 2017 a um nível sólido e em aceleração, notadamente acima do nível esperado para os mercados desenvolvidos. Os países dos mercados emergentes ainda estão muito atrás de seus pares dos mercados desenvolvidos, no que tange ao PIB per capita global, de forma que continuamos a esperar fortes perspectivas de crescimento no longo prazo.

Acreditamos que outros fatores econômicos sejam importantes para nossas expectativas de um provável fortalecimento adicional nos mercados emergentes. Primeiro, como um grupo, as economias manufatureiras em geral estão de volta a uma posição de superávit na conta corrente, mas também tem havido dificuldades em reduzir os déficits dos países exportadores de commodities. Em segundo lugar, os índices de dívida/PIB dos países dos mercados emergentes são geralmente mais baixos do que os dos mercados desenvolvidos, oferecendo uma base econômica mais estável e, acreditamos, mais sustentável. Finalmente, a diferença entre as taxas de juros dos dois grupos é ampla, dando aos bancos centrais dos mercados emergentes maior flexibilidade de manobra, se necessário, no futuro.

A “caça ao rendimento” tem sido uma expressão frequentemente usada nos últimos anos, mas a questão ainda permanece central para muitos participantes do mercado. Com os rendimentos baixos e negativos de muitos títulos públicos globais, continuamos esperando que os investidores retornem às ações dos mercados emergentes, dadas as perspectivas de renda disponíveis. Por exemplo, o rendimento de dividendos foi de notáveis 2,5% até 31 de outubro de 2016, para o MSCI Emerging Markets Index1. No acumulado do ano, os fluxos para os mercados emergentes têm sido positivos, em parte devido à atraente renda esperada. Entretanto, isso se segue a três anos de fluxos negativos, de modo que movimentos adicionais em direção aos mercados emergentes podem ser mais uma das tendências de 2017 a acompanhar.

Em termos de métricas de valor, o MSCI Emerging Markets Index tem sido negociado a um desconto significativo, em relação ao MSCI World Index, por exemplo, com base em múltiplos do índice preço/lucro. As tendências de crescimento dos lucros melhoraram notadamente durante 2016, e esperamos que essa virada continue, com as economias e os fundamentos empresariais se estabilizando em todas as classes de ativos.

Oportunidades e desafios setoriais

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acreditamos que as empresas dos setores relacionados ao consumo e de tecnologia da informação (TI) estejam particularmente atraentes no ambiente atual. Algumas ações nos setores de consumo podem oferecer uma forma eficaz de obter exposição à expansão econômica dos mercados emergentes e, em especial, acesso ao crescimento dos gastos, à medida que um aumento na riqueza regional estimula uma classe consumidora mais ativa.  A TI, em especial, está se tornando cada vez mais inserida e competitiva nos mercados emergentes e, apesar de estarmos cautelosos com o recente avanço rápido dos preços das cotas de muitas ações da Internet, baseadas na China, vemos valor no setor, nos mercados emergentes como um todo. Em outras regiões, algumas ações de commodities permanecem com avaliações de valor atraentes, em nossa opinião, mesmo que os preços do petróleo, por exemplo, estejam atualmente significativamente acima de seus baixos níveis de 2016.

Permanecemos cautelosos com os bancos chineses, à medida que o reconhecimento de empréstimos inadimplentes prejudica nossa perspectiva para as empresas financeiras do país. Assim como os bancos, o setor imobiliário da China apresentou uma notável recuperação de um longo ciclo de baixa, mas temos permanecido de fora, em parte devido aos riscos de alavancagem excessiva e regulamentação.

Uma perspectiva baixa, mas atraente

Continuamos gostando das ações asiáticas de baixa capitalização, uma vez que são especialmente expostas ao sólido potencial de crescimento que esperamos dessa região no longo prazo. Isso é ajudado pelo foco doméstico das empresas de baixa capitalização, em geral maior do que o de seus pares de grande porte, fazendo com que sejam menos vinculadas aos desafiadores fatores macroeconômicos em um nível global. Suas avaliações de valor normalmente refletem o mais forte crescimento esperado das ações menores, mas, dado que existem milhares de ações de baixa capitalização na Ásia, as oportunidades para descobrir ativos mal precificados são frequentemente abundantes. Essas anomalias nas avaliações de valor normalmente ocorrem devido a ineficiências de mercado, uma vez que a quantidade de pesquisa feita sobre muitas dessas empresas pode ser ínfima.

Política do Banco Central dos EUA (Fed): um importante impeditivo para os mercados emergentes?

A política monetária do Fed ainda é uma fonte de apreensão para muitos participantes dos mercados emergentes. Esperamos que a trajetória de qualquer aumento de taxas seja gradual, porém movimentos maiores ou mais rápidos das taxas de juros dos EUA podem pesar sobre a confiança e levar à volatilidade.

Outros testes significativos para a economia global podem incluir problemas geopolíticos, variações cambiais, o avanço da saída do Reino Unido da União Europeia e mudanças nos preços das commodities. Enquanto isso, recentes eventos políticos nos Estados Unidos também poderão testar os mercados. A vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos EUA provavelmente terá muitas implicações para os mercados de todo o mundo, incluindo os mercados emergentes, e pode muito bem aumentar a volatilidade das ações. É algo que continuaremos a monitorar de perto. Entretanto, acreditamos que será importante os investidores manterem uma visão de longo prazo e não se deixarem levar pelas turbulências de curto prazo que talvez continuemos a ver nos mercados financeiros.

Gestão ativa: preparada para a mudança

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No geral, apesar de estarmos cientes do potencial de volatilidade e alertas aos riscos, acreditamos que o sentimento a respeito dos mercados emergentes pode continuar se tornando mais positivo. Em nossa opinião, a procura por rendimentos maiores e a melhora na percepção de risco dos mercados emergentes, ajudada por fortes impulsos econômicos, podem fornecer a base para um fortalecimento das ações dos mercados emergentes.

Porém, os mercados se movem rápido e são dinâmicos. Assim, qualquer que seja o ambiente em 2017, acreditamos que uma gestão ativa de ações, liderada por nossa experiente equipe localizada por todo o globo, nos permitirá agir rapidamente na busca por melhores oportunidades de investimento, à medida que forem surgindo.

CFA® e Chartered Financial Analyst® são marcas registradas do CFA Institute.

Os comentários, as opiniões e as análises de Stephen Dover e de Mark Mobius são apenas para fins informativos e não devem ser considerados como uma consultoria de investimento, uma recomendação para investir em qualquer ativo ou para adotar qualquer estratégia de investimento. Uma vez que as condições econômicas e de mercado estão sujeitas a mudanças rápidas, as opiniões, as análises e os comentários são oferecidos com base na data da publicação e podem ser alterados sem aviso prévio. Este material não tem como objetivo ser uma análise completa de todos os fatos importantes em relação a qualquer país, região, mercado, setor, investimento ou estratégia.

Informações legais importantes

Todos os investimentos envolvem riscos, inclusive uma possível perda de principal. Os ativos estrangeiros acarretam riscos especiais, incluindo flutuações cambiais, instabilidades econômicas e acontecimentos políticos. Os investimentos em mercados em desenvolvimento, dos quais os mercados de fronteira são um subconjunto, acarretam riscos mais elevados em relação aos mesmos fatores, além dos riscos relacionados ao menor tamanho desses mercados, à menor liquidez e à menor estrutura jurídica, política, comercial e social estabelecida para fornecer suporte aos mercados de valores mobiliários. Como essas estruturas são normalmente até menos desenvolvidas em mercados de fronteira, assim como vários fatores incluindo o maior potencial para alta volatilidade de preços, falta de liquidez, obstáculos ao comércio e controles cambiais, os riscos associados a mercados emergentes são mais altos em mercados de fronteira. Os preços das ações oscilam, às vezes de forma rápida e drástica, devido a fatores que afetam certas empresas, determinadas indústrias ou setores, ou devido a condições gerais de mercado.

______________________________________

1. Fonte: FactSet, MSCI, até 31/10/16. Performance passada não é indicação nem garantia de performance futura. Visite www.franklintempletondatasources.com para obter informações adicionais sobre fornecedores de dados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mark Mobius

Possui mais de 40 anos de atuação em mercados emergentes em todo o mundo e atualmente é o presidente-executivo da Templeton Emerging Markets Group. Ao longo de sua carreira recebeu diversas premiações, com destaque para uma das 50 pessoas mais influentes do mundo pela revista Bloomberg Markets, em 2011; e uma das 100 pessoas mais poderosas e influentes, pela Asiamoney, em 2006. Formado pela Boston University, é Ph.D. em economia e ciências políticas pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT).