Bastiat e o problema constitucional brasileiro

A necessidade e os impedimentos de uma nova Constituição Federal para o Brasil com base n’A Lei de Frédéric Bastiat
Por  IFL - Instituto de Formação de Líderes -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Por Alexandre Sorensen*

Sete artigos, vinte e sete emendas e mais de duzentos e trinta anos em vigor. Essas são as estatísticas básicas da primeira e única Constituição dos EUA.

Duzentos e cinquenta artigos, cento e oito emendas (e contando), menos de trinta e três anos em vigor e já com o seu futuro em xeque. Esses são os dados mais recentes das sete Constituições oficiais que o Brasil já teve.

Há quem considere que essas diferenças explicam a instabilidade jurídica e política no Brasil, mas não é bem assim. Assim como o termômetro não é responsável pela febre, esses dados são apenas o efeito numérico aparente de um problema mais profundo, que examinarei a seguir.

Primeiro, é imprescindível compreender por que esses textos são tão diferentes em extensão. Para um aficionado do Direito Constitucional, a resposta possivelmente será a de que se tratam de Cartas Magnas de gerações diferentes, em que a dos EUA é um exemplo de Carta de Primeira Geração, que trata apenas dos direitos à vida, liberdade e propriedade, enquanto a Constituição Cidadã de 1988 é uma Carta que envolve os “Direitos de Terceira Geração”, englobando os mais variados temas em complemento aos anteriores, relacionados com valores “sociais, econômicos e culturais” (segunda geração) e de “fraternidade ou solidariedade” (de terceira geração). Novamente, isso não explica o problema. O cerne da questão é o seguinte: para que foi criada originalmente a Lei [1]?

Já em 1850, Bastiat nos dava a mais direta e completa reflexão sobre este tema, observando que “se cada homem tem o direito de defender, mesmo por meio da orça, sua Pessoa, sua Liberdade, sua Propriedade, muitos homens têm o direito de concertar-se, de entender-se, de organizar uma Força comum para prover regularmente a essa defesa.” [2]. Dado que o poder coletivo é, por princípio, a união coordenada dos poderes individuais, a consequência é a de que ele não poderia ter fins diversos dos poderes individuais e, menos ainda, poderia atentar contra estes mesmos direitos que, somados, o originaram.

Compreendida a origem da Lei, o que ocorre em seguida é a perversão da sua função original: ao longo dos últimos séculos, os pensadores passaram a entendê-la não apenas como uma forma organizada de garantia dos direitos de vida, liberdade e propriedade espelhados nos poderes individuais, mas como uma ferramenta para direcionar os destinos da humanidade. Esse pensamento prevê que o legislador esclarecido poderá, através dela, definir os comportamentos, crenças e valores morais da sociedade da forma que melhor entender, motivado por uma percepção de avaliar a humanidade “de cima”, de forma isenta, em uma posição quase divina e sem considerar a hipótese da própria falibilidade, semelhante à da “suprema beatitude do entendimento” de Jacob Burckhardt[3].

Por meio dessa perversão, potenciais legisladores passam a tentar impor, através dela, valores adicionais aos dos princípios originais. Tenta-se pela Lei aplicar à sociedade valores de solidariedade, fraternidade e filantropia coletivos que são artificiais, pois impõe a todos valores que ocorreriam naturalmente em parte dos indivíduos, mas não necessariamente em todos. Logo, para incluir esses valores adicionais na Lei, ferem-se os valores motivadores da própria existência da Lei, ou seja, a vida, liberdade e propriedade, já que, para sustentar os novos “direitos” (um subsídio, por exemplo), recorre-se ao espólio legalizado (apropriação forçada) sob a forma de tributos. A partir daí, para promover a transferência de propriedade entre diferentes grupos, a Lei é pervertida de sua função primária, pois aplica contra os indivíduos poderes que esses não podem usar uns contra os outros sem que incorram em crime.

Com o aumento dos grupos de pressão política (sindicatos, associações, indústrias) etc., o que houve nas décadas seguintes foi a explosão desse espólio legalizado, em que cada um desses grupos não quer mais acabar com o espólio que o atinge, mas sim utilizar a força da Lei para obter mais espólios dos demais membros da sociedade, gerando uma situação em que todos querem se beneficiar à custa de todos.

A Constituição Americana é sólida pois se manteve relativamente fiel aos princípios que fundaram aquele país, os mesmos que motivaram a criação da Lei (a vida, a liberdade e a propriedade). Enquanto isso, a Constituição Brasileira de 1988 nasceu como descendente direta das perversões que a Lei sofreu nos séculos anteriores, sendo composta principalmente de “direitos” que extrapolam os direitos originais/da primeira geração, fruto de grupos de pressão política existentes na época. Trata-se de uma Carta Magna que cita inúmeros direitos, mas pouquíssimos deveres, esquecendo-se de que todo direito implica na obrigação de outrem de garanti-lo. É claro, apontar direitos para os beneficiários é fácil: o difícil é apontar os deveres dos que serão espoliados para sustentar os primeiros. É a materialização da crença de que, fechando os olhos, o problema de que não existe almoço grátis simplesmente desaparecerá. Assim, para que tenhamos uma Carta Magna tão sólida e estável quanto a americana, é preciso que ela se restrinja a espelhar de forma coletiva os direitos inerentes a cada indivíduo, sem afrontá-los e renunciando à pretensa ambição de controlar os destinos e as vontades do povo brasileiro. Disso é o próprio povo que cuidará.

No caso brasileiro, antes de pensar na convocação de uma Constituinte, é preciso avaliar se a sociedade e os legisladores brasileiros têm a convicção de recuperar o espírito original da Lei, garantir os direitos básicos dos indivíduos sem se contrapor a eles, ou se a propensão é a de cederem a grupos de pressão em prol do espólio legalizado. Se assim fosse, promulgar uma nova Carta seria inócuo, pois centenas de emendas recolocariam o espólio legalizado e generalizado no texto constitucional.

Em um país em que se mede a eficiência dos legisladores pela quantidade de novas leis apresentadas ao Parlamento, e onde grupos de pressão são financiadores de pautas políticas e têm verdadeiras bancadas eleitas, parece evidente que o cenário de uma nova Constituição restrita aos direitos originários da lei está muito, muito distante.

[1]: A Lei aqui, assim como na obra de Bastiat, com inicial maiúscula, trata-se não apenas da Constituição ou das normas e regulações escritas, mas sim de todo o aparato coletivo utilizado para a sua imposição. Trata-se da Força legitimada do ente estatal.

[2]: BASTIAT, Frédéric. A Lei, LVM Editora, página 42, São Paulo, 2019.

[3]: Conceito trazido por Jacob Burckhardt no livro “Reflexões Sobre a História”, em que o autor descreve uma visão sobre os eventos ocorridos na humanidade a partir do posicionamento de um observador externo, que contempla o mundo e a humanidade como se não fosse parte deles.

*Alexandre Sorensen é formado em Ciências Contábeis pela Universidade de São Paulo, atua como Head de Finanças e Operações e como consultor para finanças corporativas e é associado ao IFL-SP.

IFL - Instituto de Formação de Líderes O Instituto de Formação de Líderes de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo formar futuros líderes com base em valores de Vida, Liberdade, Propriedade e Império da Lei.

Compartilhe

Mais de IFL-Instituto de Formação de Líderes

IFL-Instituto de Formação de Líderes

Qual o papel da Lei e do Estado?

Que tipo de qualidade de vida você e sua família teria se pudesse ter mais liberdade de escolher para onde vão os frutos das suas faculdades (do seu trabalho), que atualmente são espoliados pelo Estado em forma de impostos para gastos que não necessariamente estão alinhados com as suas necessidades?