Meu conselho aos “novos CPFs da Bolsa”: lembrem que a retomada pode ser tão forte quanto a queda

Meu melhor investimento em mais de 30 anos de mercado foi feito no meio de período muito complicado da nossa história

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Pedestres usam máscaras de proteção na cidade de Milão, na Itália (crédito: JOSI DONELLI/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO)

Depois de um longo período de alta, a Bolsa brasileira tomou um tombo considerável, e a turbulência voltou a tomar conta dos mercados, aqui e no exterior.

O vaivém dos mercados nos últimos dias, aqui e no exterior, é consequência de uma crise grave. O surto do coronavírus é algo que deve ser encarado com seriedade e preocupação, seja pela facilidade de transmissão, seja pelas implicações econômicas do combate obrigatório à sua propagação.

O baque sofrido pelas indústrias de turismo e aviação comercial, para citar apenas alguns exemplos, além das dificuldades do comércio internacional (que já vinha enfrentando desafios), estão entre as consequências disso.

PUBLICIDADE

Mas é bom lembrar que o mercado de capitais, no Brasil e no mundo, já viveu momentos como esse. A história mostra que a tendência é que se comportem como uma “curva em V”: caem rápido e voltam na mesma velocidade. A recuperação pode vir com a recuperação da atividade e em razão da atuação de governos e bancos centrais (como estamos vendo agora).

Essa é a primeira crise enfrentada por milhares de brasileiros que passaram a investir em ações recentemente, empurrados para a renda variável por causa da queda dos juros ou atraídos pela valorização da Bolsa.

Estão aprendendo pelo caminho sinuoso que a estrada pode ser bonita e também é perigosa. Sei que muitos estão se comportando com serenidade, mas temo que alguns tomem atitudes precipitadas e irreversíveis.

Minha recomendação, em especial aos “novos CPFs da Bolsa”, é que tenham resiliência, calma e prudência. E olhem para o momento como uma excelente oportunidade. Comprem mais se puderem. A história diz que a chance de ser bem sucedido é enorme.

Meu melhor investimento em mais de 30 anos de mercado foi feito no meio de período muito complicado da nossa história. Quando o governo inventou o Plano Cruzado, em 1986, uma tentativa frustrada de combater a hiperinflação via congelamento de preços, muitos analistas acharam que os bancos brasileiros iriam quebrar, porque não conseguiriam se manter sem as receitas geradas pelo giro inflacionário.

Pensei: “Nunca vi país sem banco e, portanto, alguns vão sobreviver”.

PUBLICIDADE

Obviamente, os preços das ações dos bancos estavam muito baixos. A estratégia passou a ser analisar para encontrar instituições que tivessem condições de enfrentar os problemas e ganhar dinheiro no futuro.

Depois de descartar os bancos Nacional e Econômico — que acabaram quebrando mais tarde –, comprei ações do Unibanco. Elas valorizaram 70% ao ano, em dólares, até 2008 (quando o Itaú se fundiu ao Unibanco no meio de outra grave crise, mas essa é outra história…).

Boa sorte a todos.

Invista seu dinheiro para realizar seus maiores sonhos. Abra uma conta na XP – é de graça

Guilherme Affonso Ferreira

Guilherme Affonso Ferreira é sócio-fundador e chairman da Teorema Capital. Além disso, é conselheiro de empresas como Arezzo, B3 e M Dias Branco. Foi diretor-presidente da Bahema no período em que a companhia foi acionista relevante do Unibanco (1986 a 2008) – e obteve um retorno de 50% ao ano, em dólares, com as ações do banco. Também foi conselheiro da Petrobras de 2015 a 2018, participando do programa de recuperação da companhia.