Onde investir para o casamento?

 

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Muitas pessoas me perguntam qual é o melhor investimento para um casamento. Aproveito a chegada de maio, que é considerado o mês das noivas, para falar sobre esse assunto.

Na verdade, o melhor investimento depende do prazo em que se pretende casar. Se o desejo dos noivos é que tudo seja arranjado no curto prazo, em até um ano, o dinheiro pode ser aplicado em caderneta de poupança, em que há liquidez e isenção de impostos.

Contudo, um ano é um prazo curto para organizar cerimônia, recepção e lua-de-mel, caso o desejo seja ter o pacote completo. A maioria dos casais se planeja para algo no médio prazo, entre um e dez anos. Neste caso, CDBs, fundos de investimentos e títulos do tesouro direto são os mais indicados.

PUBLICIDADE

O casal deve reconhecer que quanto menor o prazo, maior deve ser a poupança mensal destinada para o casamento. Mas mais importante do que o tipo de investimento é a capacidade de poupar, por isso é muito importante que, ao decidir dar este passo, os noivos façam um bom diagnóstico financeiro.

Quem tem renda fixa deve anotar todas as suas despesas, separado por tipos de gastos (refeições, roupas, transporte, etc.) por 30 dias, e quem tem renda variável, por 90 dias. Assim, individualmente, os noivos saberão quais despesas podem diminuir ou até mesmo cortar, pois são supérfluas e insignificantes frente ao desejo de se casar.

O sonho do casamento deve estar vivo na mente de ambos, assim passarão a fazer compras mais conscientes e estarão mais abertos para negociar preços e pedir descontos em suas compras cotidianas, afinal, todas as economias vão direto para a poupança do casamento. Se quiserem, podem incrementar a renda com uma atividade extra.

Este comportamento deve ser levado para a etapa de contratação de serviços e produtos para o casamento, já que neste mercado há imensa variação de preços. É preciso se manter no orçamento que levou o casal a conhecer o valor total dos gastos. Se a despesa se mostrar muito alta logo de início, é válido fazer cortes e até mesmo considerar adiar o casamento por alguns meses.

Afinal, o mais importante é não começar a vida a dois com dívidas ou, pior, com desentendimentos por conta de dinheiro.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.