POR QUE É AINDA TÃO DIFÍCIL INTERNALIZAR A CULTURA DA INOVAÇÃO?

Muitas vezes nos deparamos com essa dúvida quando olhamos para as empresas tradicionais. Porque elas insistem em fazer as coisas como sempre fizeram, ou ainda, acreditam que o que deu certo no passado ainda é receita de sucesso para o futuro mesmo num cenário em que todo o resto aponta o contrário?
Por  Lyana Bittencourt
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Empresas foram criadas para evitar riscos, para tomarem sempre as melhores decisões e com menor chance de erro. Isso historicamente vem sendo acompanhado de planejamentos sólidos, pautados em processos claros, definidos, estruturados.

E ao evitar riscos, evitavam também a inovação. A aversão ao erro, à decisão equivocada culminavam quase sempre em segurança e estabilidade. O pensamento linear sempre foi supervalorizado.

A tradição muitas vezes se coloca como obstáculo pois geralmente está associada a operações complexas, com muitas regras, hierarquia e muita lentidão na tomada de decisão. As empresas costumam ficar presas nas armadilhas do seu próprio sucesso, deixam de ser inovadoras e perdem a capacidade de se manterem perenes no mercado.

No entanto estamos numa era completamente nova. Saímos de uma era em que a escassez era certeza. As projeções feitas levando-se em consideração os recursos existentes e o crescimento populacional x consumo eram (e ainda são) simplesmente catastróficas. No entanto, o que vemos hoje são alternativas antes impensáveis.

Compartilhamento de bens e estruturas, crowdfunding, startups, co criação, tecnologias exponenciais. Todas novas perspectivas que transformaram a percepção de escassez em provável abundância. E com isso, a aversão ao risco, ao sentimento de carência de recursos passa a ser visto com olhos menos desastrosos.

A indústria deve então passar a não se basear na escassez e começar a desenvolver o mindset de abundância. E para isso, abandonar o velho jeito de fazer as coisas e trazer pessoas de fora para repensarem seus negócios, pois é por meio delas que geralmente ocorrem as inovações disruptivas. Elas geralmente acontecem pelas mãos de quem não está contaminado pelo jeito de ser e da forma “que sempre foi” das empresas.

E com elas, vem também uma nova forma de pensar e de agir. Algumas resistem, pois, ainda não estão prontas para mudarem de patamar. Mas começam a sentir na obsolescência a dor de não repensar em como agir na nova era, em que o risco assumido (e que pode resultar num fracasso calculado) pode ser o primeiro passo efetivo para a inovação. Elas começam a entender que o risco é inerente aos desbravadores e o medo é parte do processo e, na pior das hipóteses, o que sobra é aprendizado.

Compartilhe

Mais de Falando de franquias

Falando de franquias

EXPANSÃO E RENOVAÇÃO

Recentemente tive a oportunidade de liderar um painel no Congresso de Expansão na ABF Franchising Week que teve como tema “Como o modelo de negócios pode estar influenciando o crescimento da rede?“ nesse painel – que também teve a participação de redes como o Bob´s, Clube Melissa e Club Life to Go – pudemos levar uma reflexão para o mercado de franquias.
Falando de franquias

Business Synergy e o Franchising do Bem.

Junho é um mês bastante movimentado para o mercado de franquias. É nesse mês que acontece a maior feira do setor, a ABF Franchising Expo que ao longo dos anos tem agregado cada vez mais conteúdo e oportunidades de relacionamento entre os franqueadores, fornecedores, candidatos e empresários do setor em geral.
Falando de franquias

COMO EVITAR QUE SUA EMPRESA FIQUE PARADA NO TEMPO

Numa realidade em que são raros os mercados que podem ser considerados "oceanos azuis" – ou seja, aqueles em que a concorrência ainda não chegou ou não oferece risco – estar atento à renovação do modelo de negócios, sua proposta de valor e a forma que ela se apresenta no mercado são ações fundamentais que não podem deixar de estar presentes na mente dos empresários em todas as decisões que vai tomar.
Falando de franquias

Enquanto o mercado vai com a farinha o franchising traz o bolo!

Muito se falava sobre as pessoas que perderam seus empregos e iriam buscar negócios para empreender, prioritariamente de baixo investimento, ou que a falta de confiança no mercado não traria novos empresários interessados em transformar seus negócios em franquia. Não foi isso que aconteceu. Veja a visão do Grupo BITTENCOURT sobre a recuperação dos negócios e da confiança no mercado de franquias.
Falando de franquias

Propósito – A essência aplicada na ponta

Em 2017 o Grupo BITTENCOURT traz para a 8ª Edição do Fórum de Franquias o tema PROPÓSITO QUE ENGAJA DE FATO. Um tema relevante que cada vez mais tem sido discutido no mundo dos negócios. Muitas pesquisas recentes têm mostrado que quando uma empresa tem algo maior e mais significativo do que o lucro como objetivo final, os resultados aparecem. E de forma superior às empresas que focam apenas no resultado para os acionistas.
Falando de franquias

INOVAÇÃO NAS REDES DE FRANQUIAS

O 8º Fórum Internacional de Franquias acontecerá nos dias 26 e 27 de setembro em São Paulo. Na edição de 2017, a inovação volta a fazer parte dos temas que serão tratados no evento. E a primeira pergunta é: em seu negócio, existe uma cultura voltada para inovação? . Na edição de 2017, a inovação volta a fazer parte dos temas que serão tratados no evento.