Internacionalização de franquias brasileiras

Investir em internacionalização de redes de franquias vem sendo uma solução para os brasileiros que estão à procura de mercados mais estabilizados e menos suscetíveis a flutuações econômicas
Por  Lyana Bittencourt
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Investir em internacionalização de redes de franquias vem sendo uma solução para os brasileiros que estão à procura de mercados mais estabilizados e menos suscetíveis a flutuações econômicas. Isso, no entanto, exige investimento alto, que em temporada de real desvalorizado pode representar muito mais do que a marca pode investir. Um fator importante é que antes mesmo de partir para mercados internacionais, o empresário procure uma consultoria, para um estudo de oportunidades de expansão, suas vantagens e desvantagens de operação.

Acredito que o que determina o sucesso do negócio não é o local em que está instalada a rede e sim, quem está à frente, sua dedicação e a vontade de fazê-lo prosperar. Já são 134 marcas de franquias brasileiras presentes em 60 países, algumas somente operam com exportação de produto e a maioria (67%) tem unidades instaladas no exterior.

Os destinos mais procurados são EUA e Portugal, pela aceitação de diversos produtos e multicultura da sua população, e o Paraguai pela proximidade com a cultura e também geográfica que favorecem a integração entre franqueadora e franqueados. Uma tendência que temos visto, principalmente no mercado americano, é o desenvolvimento de mercados ainda não explorados por muitas marcas, as chamadas “minorias”, como exemplo, os imigrantes, tendo em vista que há um grande crescimento da comunidade hispânica nos EUA. Cada vez mais, as pessoas migram de um país para outro e passam a “engrossar” o PIB dos países de destino, pois produzem, consomem, pagam impostos e geram riquezas.

Para desenvolvimento dessa estratégia, uma das etapas mais importantes é o estudo da estrutura jurídica de cada país, para entender como se adequaria o negócio ao sistema local. Por exemplo, se o país tem leis de franquias específicas ou outros tipos de relação contratual – alguns aplicam em seus contratos a rescisão contratual unilateral, a partir da inobservância das regras do contrato como o que ocorre na Alemanha, Hungria e República Checa. Outros alinham o contrato com base no princípio da boa-fé e alguns outros países nem possuem obrigações contratuais específicas como Hong Kong, Índia e Tailândia. No Brasil, temos uma lei específica que estabelece as relações contatuais entre franqueados e franqueadores. Um ponto fundamental que deve ser observado, é proteger a propriedade intelectual no país de destino, pois a marca e o know how do franqueador são seus principais ativos.

Um dos casos mais recentes do GRUPO BITTENCOURT é a franquia GIOLaser, rede de depilação a laser que tem como sócia a atriz Giovanna Antonelli. A marca aproveitou que o modelo de negócio baseado em depilação a laser vem crescendo muito rapidamente no mundo todo, por agregar tecnologia e resultado a preço baixo, e lançará sua primeira unidade em julho deste ano, em Portugal – país que é o segundo em atrair os franqueadores brasileiros justamente por não impor a barreira da língua e haver uma estrutura de cooperação entre países.

Podemos dizer que não existe um tipo especifico de franquia para atrair investidores, nem segmentos mais desejados, existe sim, um perfil de franquia que atrai mais os investidores. Esse perfil traz algumas combinações como: aderência à cultura e ao mercado para o qual se deseja levar a marca, marcas que sejam promissoras e tenham saúde financeira, que cresçam ao longo dos anos de forma consistente e aquelas que não exigem legislações específicas para atuar fora do país – por exemplo, as que envolvem agências reguladoras como a FDA, nos EUA. Todos esses aspectos devem ser levados em conta, porém muitas vezes, os investidores se atentam apenas ao aspecto financeiro e esquecem de olhar as implicações de aspectos que não são controlados por ele, como os citados acima. Os negócios nesse caso devem, inclusive, ter regras claras de compliance, assegurando o cumprimento dos padrões da marca.

Lyana Bittencourt é especialista em franchising e sócia e diretora de Marketing e Desenvolvimento do Grupo BITTENCOURT

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Falando de franquias

Falando de franquias

EXPANSÃO E RENOVAÇÃO

Recentemente tive a oportunidade de liderar um painel no Congresso de Expansão na ABF Franchising Week que teve como tema “Como o modelo de negócios pode estar influenciando o crescimento da rede?“ nesse painel – que também teve a participação de redes como o Bob´s, Clube Melissa e Club Life to Go – pudemos levar uma reflexão para o mercado de franquias.
Falando de franquias

Business Synergy e o Franchising do Bem.

Junho é um mês bastante movimentado para o mercado de franquias. É nesse mês que acontece a maior feira do setor, a ABF Franchising Expo que ao longo dos anos tem agregado cada vez mais conteúdo e oportunidades de relacionamento entre os franqueadores, fornecedores, candidatos e empresários do setor em geral.
Falando de franquias

COMO EVITAR QUE SUA EMPRESA FIQUE PARADA NO TEMPO

Numa realidade em que são raros os mercados que podem ser considerados "oceanos azuis" – ou seja, aqueles em que a concorrência ainda não chegou ou não oferece risco – estar atento à renovação do modelo de negócios, sua proposta de valor e a forma que ela se apresenta no mercado são ações fundamentais que não podem deixar de estar presentes na mente dos empresários em todas as decisões que vai tomar.
Falando de franquias

Enquanto o mercado vai com a farinha o franchising traz o bolo!

Muito se falava sobre as pessoas que perderam seus empregos e iriam buscar negócios para empreender, prioritariamente de baixo investimento, ou que a falta de confiança no mercado não traria novos empresários interessados em transformar seus negócios em franquia. Não foi isso que aconteceu. Veja a visão do Grupo BITTENCOURT sobre a recuperação dos negócios e da confiança no mercado de franquias.
Falando de franquias

Propósito – A essência aplicada na ponta

Em 2017 o Grupo BITTENCOURT traz para a 8ª Edição do Fórum de Franquias o tema PROPÓSITO QUE ENGAJA DE FATO. Um tema relevante que cada vez mais tem sido discutido no mundo dos negócios. Muitas pesquisas recentes têm mostrado que quando uma empresa tem algo maior e mais significativo do que o lucro como objetivo final, os resultados aparecem. E de forma superior às empresas que focam apenas no resultado para os acionistas.
Falando de franquias

INOVAÇÃO NAS REDES DE FRANQUIAS

O 8º Fórum Internacional de Franquias acontecerá nos dias 26 e 27 de setembro em São Paulo. Na edição de 2017, a inovação volta a fazer parte dos temas que serão tratados no evento. E a primeira pergunta é: em seu negócio, existe uma cultura voltada para inovação? . Na edição de 2017, a inovação volta a fazer parte dos temas que serão tratados no evento.