Fechar Ads

Em quais ações devo investir para ter exposição ao tema ESG?

As empresas vencedoras serão aquelas cujo comportamento em relação às questões ambientais, sociais e de governança estão em primeiro lugar. E você, investidor, precisar estar atento a esse movimento sem volta
Por  Marcella Ungaretti
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A sigla ESG (do termo em inglês Environmental, Social and Governance) tem centralizado os holofotes nos últimos meses, confirmando, cada vez mais, o que já havia sido percebido: essa sigla veio para ficar e será cada vez mais fator central das discussões.

Globalmente, mais de US$ 35,3 trilhões em ativos sob gestão (AuM, na sigla em inglês) são administrados por fundos que definiram estratégias de investimento sustentáveis (36% do AuM total), o que reforça o acima mencionado, destacando a percepção por parte dos investidores de que os critérios ESG são fatores-chave na alocação de recursos.

Tendo isso em mente, onde investir para ter exposição ao tema ESG?

Primeiro, existe hoje um número crescente de produtos focados nessa temática, envolvendo diferentes classes de ativos, disponíveis aos investidores.

Mas quero focar no mundo das ações. No Brasil, hoje são mais de 300 empresas que possuem capital aberto na Bolsa (B3). Identificar quais delas estão bem posicionadas na perspectiva ESG não é tarefa fácil.

Com o objetivo de ajudar os investidores no processo de alocação de recursos, lançamos hoje nossa carteira recomendada ESG XP.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Composta por dez nomes e com atualização mensal, a carteira traz uma abordagem mais qualitativa de seleção dos papéis neste primeiro momento, enquanto estamos desenvolvendo nosso rating ESG proprietário da XP, que contará com uma metodologia robusta, reforçando e fundamentando nossa análise ESG para as companhias sob cobertura do time de Research.

E como essa seleção foi feita? Utilizamos o universo de 71 companhias cobertas na perspectiva ESG como ponto de partida e filtramos este número observando quais nomes estão bem posicionados na perspectiva ESG, com base em nossa análise proprietária.

Das empresas restantes, escolhemos aquelas sobre as quais nossos analistas possuem uma visão fundamentalista positiva para o papel. Assim, chegamos a dez nomes para compor essa carteira recomendada: Ambev (ABEV3), Arezzo&Co. (ARZZ3), CBA (CBAV3), Fleury (FLRY3), Jalles Machado (JALL3), Localiza (RENT3), Natura&Co. (NTCO3), Orizon (ORVR3), Totvs (TOTS3) e WEG (WEGE3).

Em termos de benchmark, ou seja, qual índice nós usaremos para comparar a performance da carteira ESG com o mercado, nós optamos pelo ISE (Índice de Sustentabilidade da B3).

Mesmo esse índice tendo algumas lacunas em sua metodologia atual, a B3 já anunciou a nova metodologia, que entrará em vigor em janeiro de 2022, e deve reforçar o ISE como o índice mais importante no mercado brasileiro.

Acredito que a presença de elevados padrões ESG, somada a uma visão fundamentalista positiva, é uma combinação bastante poderosa – e são esses os nomes que buscaremos trazer na nossa carteira ESG XP.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na nossa visão, as empresas vencedoras serão aquelas cujo comportamento em relação às questões ambientais, sociais e de governança estão em primeiro lugar. E você, investidor, precisar estar atento a esse movimento sem volta!

Marcella Ungaretti Sócia e head de Research ESG da XP. Formada em administração de empresas pela FEA-USP e vencedora do Prêmio Ruy Leme de Excelência Acadêmica da USP, Marcella começou sua carreira em Equity Research no Bank of America Merrill Lynch. Em 2018, entrou na XP no time de Research e hoje lidera a frente ESG na área

Compartilhe

Mais de Opinião - Especialistas convidados

Opinião - Especialistas convidados

‘Suitability’: evolução que favorece o investidor

O investidor mudou e, por consequência, o processo de recomendação de produtos de investimento acompanhou essa evolução. Se antes o mundo dos investimentos era visto como acessível apenas para pessoas com maior poder aquisitivo, o avanço das plataformas digitais, a alteração nas condições macroeconômicas e a democratização do conhecimento sobre finanças contribuíram para que mais […]