Biden considera reduzir tarifas sobre China, enquanto promete defender Taiwan militarmente: o que as falas sinalizam?

Declaração do presidente americano sobre Taiwan não muda posição do país sobre ilha, enquanto possibilidade de eliminar tarifas punitivas da China seria tentativa de amenizar a inflação
Por  Roberto Dumas Damas
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A segunda-feira começou agitada com as declarações de Joe Biden envolvendo a China. Em Tóquio, após ter passado pela Coreia do Sul no fim de semana, o presidente dos EUA parece que resolveu soltar o verbo e respondeu com um sonoro “sim” a uma pergunta no qual era indagado se os EUA se envolveriam militarmente para defender Taiwan. “Esse é o compromisso que fizemos”, afirmou.

Muita calma nessa hora. Sabemos que qualquer gesto, expressão corporal e resposta talvez não tão completas acabam suscitando uma enxurrada de especulações. Pronto. Parece que os EUA já declararam guerra à China, caso o gigante asiático anexe pela força a ilha de Taiwan.

Não me parece que esse seja o caso. Até porque, logo após a declaração, a Casa Branca logo afirmou que os comentários não refletem uma mudança na política dos EUA em relação à sua “ambiguidade estratégica”, que gere as relações entre Taipei e Washington.

Claro que a invasão da Ucrânia pela Rússia tem acalentado as discussões sobre como outros países, principalmente os EUA, se posicionariam em caso de uma anexação de Taiwan. O líder chinês, Xi Jinping, provavelmente deve continuar analisando cuidadosamente as sanções que o Ocidente imporia à China em uma situação dessas.

Mas é preciso destacar que a China não é a Rússia. A China é uma peça fundamental na existente emaranhada cadeia de suprimentos. Sanções em cima do país trariam pesadas consequências econômicas, sociais, políticas e geopolíticas para o mundo todo.

Aparentemente e no calor do momento, é bem plausível que Joe Biden quis dizer uma coisa e foi interpretado de outra maneira. A Lei de Relações com Taiwan de 1979, que regula as relações entre os EUA e a ilha, não requer que Washington aja militarmente para defender a região de uma eventual invasão chinesa, mas garante que o território tenha os meios militares para se defender de qualquer ataque iniciado por Beijing.

Seria no mínimo imprudente de Biden, em uma coletiva presidencial, romper com tal compromisso. A princípio, nos parece uma confirmação da Lei de 1979. Ou seja, os EUA continuarão a fornecer armamentos para Taiwan e continuarão a fortalecer suas alianças no Pacífico, principalmente com Coreia do Sul e Japão. Resumindo. Um mal entendido!

Do outro lado do espectro, enquanto Biden parece ranger os dentes para a China em relação a essa declaração de ajuda militar pra lá de confusa, o presidente dos EUA cogita eliminar tarifas punitivas, que o antigo governo de Donald Trump impôs às importações vindas daquele país.

O interesse de Biden é o de tentar minimizar o desgaste que a inflação de 8,3% de abril tem feito à sua popularidade. Diminuir ou eliminar tarifas impostas sobre as importações chinesas ajudaria o país no controle inflacionário, mas longe de ser mais importante do que a extrema necessidade de um recrudescimento do contracionismo monetário do Fed.

Claro que as tarifas sobre as importações encarecem os produtos no mercado nacional, mas atualmente os EUA estão passando por uma inflação proveniente de dois choques de ofertas (lockdown na China e guerra na Ucrânia) e também de demanda. Isto dado que o número de abertura de novas posições de trabalho em maio excedeu o número de pessoas desempregadas em 5,6 milhões de trabalhadores. Certamente um arrefecimento da guerra comercial dos EUA com a China não será a bala de prata, nem de longe, no controle inflacionário do país.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Roberto Dumas Damas Roberto Dumas Damas é economista-chefe do Voiter e representou o Itaú BBA em Xangai de 2007 a 2011. Em 2017, atuou no banco dos BRICs em Xangai. Dumas é mestre em Economia pela Universidade de Birmingham na Inglaterra, mestre em Economia Chinesa pela Universidade de Fudan (China), além de professor de MBA e pós graduação do Insper e da FIA e professor convidado da China Europe International Business School (CEIBS) e Fudan University (China)

Compartilhe

Mais de Opinião - Especialistas convidados