EM DESTAQUE EUA criam 4,8 milhões de vagas em junho, acima da expectativa dos economistas

EUA criam 4,8 milhões de vagas em junho, acima da expectativa dos economistas

John Oliver dedica programa para falar de Trump: “Como nós chegamos aqui? E o que o fazemos agora?”

"Somos confrontados pelas mesmas perguntas que um cara que acordou no dia depois de uma festa de despedida de solteiro, no meio do deserto, nu, amarrado a um cacto e um palhaço morto"

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O primeiro episódio de “Last Week Tonight”, apresentado pelo inglês John Oliver na HBO, após a eleição de Donald Trump foi dedicado completamente a analisar o resultado do pleito nos Estados Unidos. A proposta foi tentar entender como o empresário ganhou e para onde o país vai agora.

“É importante lembrar que muitas pessoas estão felizes em vê-lo no cargo”, disse Oliver. “Mas para o resto de nós, somos confrontados pelas mesmas perguntas que um cara que acordou no dia depois de uma festa de despedida de solteiro, no meio do deserto, nu, amarrado a um cacto e um palhaço morto. Como nós chegamos aqui? E o que o fazemos agora?”.

O apresentador foi um dos maiores críticos de Trump desde que ele anunciou sua candidatura no ano passado. Desde então tem sido comum ver quadros em seu programa dedicados a comentar as falas e atitudes do empresário. Porém, no programa deste domingo (13), ele fez uma espécie de “mea culpa” e comentou que a mídia foi uma das grandes responsáveis por eleger o republicano.

PUBLICIDADE

Oliver gastou toda o programa em tópicos abrangentes sobre Trump, incluindo todas as promessas feitas por ele durante a campanha, que o apresentador disse soar como a “lista de tarefas na geladeira de Satanás, que, claro, não precisa mais dela porque o inferno congelou”. Ele ainda aproveitou para comentar as mudanças de opinião do presidente eleito: “Trump é como uma ‘Bola 8″ mágica, toda vez que você sacode, ele lhe dá uma resposta diferente”, disse Oliver.

Por fim, o apresentador mostrou que irá continuar lutando. Ele pediu para que as pessoas não se mudem para o Canadá, mas que “fiquem aqui e lutem”, doando dinheiro para organizações sem fins lucrativos e outros tipos de movimentos. “Vai ser muito fácil para as coisas começarem a parecer normais, especialmente se você é alguém que não é diretamente afetado por suas [Trump] ações”, acrescentou Oliver. “Então continue lembrando a si mesmo, isso não é normal”, concluiu.

Rodrigo Tolotti

Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.