Em cielo

Resultado da Cielo agrada, mas Credit corta recomendação após forte rali das ações

Para analistas, mesmo depois de mostrar um resultado acima da expectativa no terceiro trimestre, reportado nesta manhã, a empresa já não está mais com valuation tão atrativo

Cielo 01 - Fachada empresa
(Divulgação Cielo)

SÃO PAULO - É hora da Cielo (CIEL3) "respirar" após um forte rali no acumulado do ano, apontou o Credit Suisse, em relatório divulgado nesta terça-feira. Em 2013, os papéis da empresa subiram 50,77% - terceira maior alta do Ibovespa. Para o banco de investimentos, mesmo depois de mostrar um resultado acima da expectativa no terceiro trimestre, reportado nesta manhã, a empresa já não está mais com valuation tão atrativo, o que resultou no corte de recomendação, de outperform (desempenho acima da média) para neutro.

O rebaixamento veio após a Cielo reportar lucro líquido (atribuído aos acionistas) de R$ 689,2 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que representa crescimento de 17% na comparação com o mesmo período de 2012. A receita operacional líquida totalizou R$ 1,7 bilhão, aumento de 31,6% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Ambos ficaram acima das expectativas dos analistas do Credit Suisse. 

Segundo os analistas Victor Schabbel, Marcelo Telles, Daniel Sasson e Alonso Garcia, embora o fundamento da Cielo continue forte (líder de market share no setor de cartões e sólida perspectiva de lucro), o valuation da empresa não está mais atrativo. "Mesmo assumindo um cenário brilhante para a empresa nos próximos dois anos, o potencial de valorização dos papéis é muito limitado", disseram. Por isso, também reduziram o preço-alvo das ações, de R$ 76 para R$ 67 - o que representa potencial de desvalorização de 1,18%

Incorporando os resultados do terceiro trimestre, eles preveem um lucro de R$ 3,2 bilhões em 2014, e R$ 3,6 bilhões em 2015. Apesar de uma estimativa ainda razoável e viável, não é mais extremamente conservador, o que faz o risco/recompensa menos atrativo nesse ponto, apontam os analistas. 

 

Contato