Em centauro

Por que a Centauro entrou na briga com o Magazine Luiza pela Netshoes?

Proposta agressiva para fechar a compra da concorrente é vista como uma forma de proteção. Mas o Magazine Luiza, que havia feito uma proposta pela Netshoes há algumas semanas, ainda pode contra-atacar

netshoes
(Shutterstock)

SÃO PAULO - A varejista esportiva Centauro fez um movimento agressivo nesta quinta-feira e a reação dos investidores foi... bom, foi praticamente não reagir.

A empresa divulgou ter feito uma proposta para comprar sua concorrente Netshoes pagando US$ 87 milhões, 40% mais do que foi oferecido pelo Magazine Luiza – que, há pouco mais de três semanas, anunciou ter adquirido a Netshoes.

As ações da Netshoes, compreensivelmente, dispararam. Negociadas na Bolsa de Nova York (NYSE), elas fecharam em alta de 44%, cotadas a US$ 2,82, valor um pouco superior ao proposto pela Centauro, de US$ 2,80 por ação.

Já os papéis da Centauro (CNTO3), que chegaram a abrir o pregão subindo 5%, terminaram o dia em baixa de 0,44%, enquanto o Ibovespa caiu 0,48%. As idas e vindas aumentaram o volume de negociações do papel, que chegou a 12,9 milhões — o dobro da média dos últimos 21 pregões.

O que deteve os investidores foi, na opinião de analistas e consultores de varejo ouvidos pelo InfoMoney, as muitas dúvidas que cercam a operação. Uma delas, inclusive, é o fato de o Magazine Luiza poder cobrir a oferta da Centauro pela Netshoes. O InfoMoney apurou que a empresa dos Trajano ainda não decidiu se fará uma nova oferta.

Para a Centauro, a compra da Netshoes parece ser muito mais uma questão de defender seu mercado do que de ganhar escala. “O Magazine Luiza tem um trabalho muito forte no online e sua entrada no segmento de esportes poderia atrapalhar a Centauro”, diz Walter Sabini, fundador da empresa de investimentos especializada em varejo HiPartners.

Ainda assim, os especialistas apontam ganhos que a compra pode gerar para a Centauro. Desde o ano passado, a empresa tem trabalhado para crescer na estratégia omnichannel, com a integração dos estoques da loja física e online e a possibilidade de retirada e envio de mercadoria das lojas.

“A compra da Netshoes dará a liderança online isolada para a Centauro e deve trazer um bom crescimento nessa integração de online e offline”, afirma Alberto Serrentino, fundador da consultoria Varese Retail.

A Netshoes, vale lembrar, também tem uma operação voltada para moda, a Zattini, e outra para calçados femininos, a Shoestock. São segmentos que muitos especialistas veem como o próximo grande potencial do e-commerce.

“São dois segmentos parecidos com a dinâmica do esporte. O varejo esportivo tem se tornado cada vez mais parecido com lifestyle e moda. Caberá à Centauro fazer esse negócio crescer”, afirma Serrentino.

Carlos Daltozo, head de renda variável da Eleven Financial Research, vê o prêmio de 40% no valor prometido pelo Magazine como um claro indício de que a Centauro sabe o que quer - talvez saiba melhor que a empresa dos Trajano.

“A aquisição da Netshoes seria mais ajustável à operação da Centauro, que já está no business de moda esportiva, justamente pelo foco no crescimento online - expertise da Netshoes”.

De onde vem o dinheiro

A situação financeira da Centauro, que já foi complicada -- em 2017, a empresa precisou reestruturar uma dívida de R$ 373 milhões --, ficou mais tranquila com a abertura de capital, finalizada na última terça-feira (21). O valor total captado foi de R$ 705,10 milhões.

Mas utilizar parte desse dinheiro para uma aquisição não estava nem nos planos da companhia. Segundo o prospecto do IPO, os valores captados seriam divididos para: abertura e reforma de lojas (cerca de R$ 202,3 milhões), reforço de capital de giro (R$ 120,1 milhões), amortização de dívida (R$ 340,0 milhões) e uma parcela menor para fortalecer sua estratégia omnichannel (R$ 60,0 milhões). Procuradas, Centauro, Magazine Luiza e Netshoes não deram entrevista

Só o valor da compra, porém, pode não ser suficiente. Segundo pessoas que conhecem de perto os números da Netshoes, a empresa precisa de um aporte de cerca de R$ 150 milhões em poucos meses, para estabilizar sua situação financeira. O prejuízo da Netshoes dobrou em 2018, totalizando R$ 332 milhões, e a empresa ainda queimou R$ 100 milhões de caixa.

Por isso, resolver rápido a questão de quem será o novo dono da empresa, e quanto capital ele estará disposto a colocar no negócio, também é importante para a Netshoes.

Os acionistas da empresa vão decidir no próximo dia 30 se aceitam a proposta original do Magazine. Se recusarem, será necessário analisar a oferta da Centauro, que também precisará ser aprovada pelo Cade. Ao que tudo indica, este pode não ser o capítulo final da história. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

 

Contato