Em cemig

Bovespa tem piores 12 meses para dividendos em 21 anos; veja quais ações se salvaram

Segundo levantamento feito pela consultoria Economatica, a mediana do indicador para as ações brasileiras foi de 1,11% no acumulado de 12 meses contados na data de 15 de julho

painel-bolsa
(Shutterstock)

SÃO PAULO - A remuneração paga ao acionista através de juros sobre o capital próprio ou dividendo medida pelo "yield" (a divisão entre o provento e o preço dos papéis) atingiu seu menor nível desde a série histórica, iniciada em 1995, neste primeiro semestre, na Bovespa. Segundo levantamento feito pela consultoria Economatica, a mediana do indicador para as ações brasileiras foi de 1,11% no acumulado de 12 meses contados na data de 15 de julho.

Desde que o levantamento é feito, essa foi a segunda vez em que a mediana das ações brasileiras perdeu para a americana em retorno com proventos. A primeira ocorreu em 1995, quando o "yield" verde-amarelo era de 1,63% enquanto o do Tio Sam marcava a casa de 2,73%. Três anos depois, a maior diferença entre os dois foi registrado, com a mediana do brasileiro marcando 4,33% e a americana, 0,79%. Já na comparação entre as ações do Ibovespa e as do S&P500, os papéis tupiniquins sempre venceram a disputa.

A distribuição de "yields" mais expressivos não necessariamente indica uma distribuição mais volumosa de dividendos. Um bom exemplo disso ocorreu em 2009, quando as ações brasileiras tiveram seu quinto melhor ano em distribuição média de "yield". "No ano de 2008, as ações brasileiras tiveram quedas muito pesadas e, como no indicador de 2009 utilizamos o preço das ações no final do ano de 2008 e estes preços foram castigados, o dividend yield acaba ficando maior", explicou a consultoria.

O estudo da Economatica ainda listou as 20 ações dentro do Ibovespa e S&P500 que melhor remuneraram os acionistas entre 2011 e julho de 2016. Veja abaixo:

Empresa País Yield 2015 Mediana 2011-2015 Retorno da ação*
Cemig (CMIG4) Brasil 3,43% 10,15% 17,71%
Frontier Communications EUA 6,30% 8,19% -14,37%
Telefônica Brasil (VIVT4) Brasil 8,81% 8,10% 78,17%
Banco do Brasil (BBAS3) Brasil 8,67% 6,83% -5,54%
Centurylink EUA 5,46% 6,55% -1,12%
Santander Brasil (SANB11) Brasil 7,78%  6,25% 28,03%
Cesp (CESP6) Brasil 18,11% 5,98% -9,64%
AT&T EUA 5,60% 5,55% 98,29%
Reynolds American EUA 4,33% 5,49% 318,26%
Altria Goup EUA 4,40% 5,47% 268,4%
Energias BR (ENBR3) Brasil 1,83% 5,44% 57,88%
Vale (VALE3; VALE5) Brasil 5,07% 5,42% -61,03%
CME Group EUA 5,53% 5,37% 104,92%
Iron Mountain EUA 4,94% 5,35% 127,27%
Tractebel (TBLE3) Brasil 3,61% 5,26% 95,89%
Welltower EUA 4,36% 5,21% 111,7%
Diamond Offshore Drilling EUA 1,36% 5,19% -50,46%
HCP EUA 5,13% 5,18% 35,46%
Realty Income EUA 4,78% 5,13% 165,83%
Digital Realty EUA 5,13% 5,13% 170,6%

* Retorno calculado entre 31 de dezembro de 2010 e 15 de julho de 2016

 

Contato