Veja como subir de cargo, mesmo que seja para outro departamento

Cada vez mais, as empresas identificam funcionários que merecem e são capazes de ocupar cargos mais altos

SÃO PAULO – É uma prática comum nas empresas a promoção das pessoas a cargos mais altos e, às vezes, de outros departamentos. A conclusão é do gerente de projetos de recursos humanos do Grupo Soma, Celso Eduardo da Silva. O motivo é que, para as empresas, isso é extremamente vantajoso.

Afinal, a pessoa já conhece a cultura corporativa. Além disso, com a promoção, ela se mantém motivada e motiva os colegas. Aos olhos do mercado, por sua vez, é interessante, pois denota uma empresa que valoriza os funcionários. Por fim, o custo é menor, pois, como para o funcionário promovido o importante é a satisfação da vitória, o salário acaba ficando para segundo plano.

Promoção

Mas como conseguir um posto mais alto em outro departamento? A resposta dada pelo gerente de projetos passa pela ótica da empresa. O empresário ou superior enxerga uma habilidade de determinado funcionário. “Por exemplo, um motoboy demonstra ser responsável com horários, trabalha de maneira ética e, um dia, precisou fazer um pagamento cuja conta estava errada. Ao chegar no banco, ele mesmo negociou o valor errado. É claro que irá se destacar”, exemplifica.

PUBLICIDADE

Outra maneira é mostrar interesse, ser curioso, propor novas maneiras de realizar as tarefas e questionar. “As pessoas de fato identificam aqueles que merecem, ou possuem habilidades para ocupar cargos mais altos, ou ainda têm esse sonho, no dia-a-dia”, alerta. A última forma seria voltar a estudar, pois, assim, o empresário percebe que o funcionário deseja crescer.

Exemplo

Em geral, controllers de hotéis são contratados para administrar todo o movimento-financeiro contábil de um empreendimento, e muitos acabam chegando ao cargo de gerência geral. A tendência para a escalada nos cargos do encarregado da parte contábil e financeira pode ser evidenciada por meio de exemplos da segunda maior administradora hoteleira multimarcas na América do Sul, a Atlantica Hotels International.

Giuliana Laganá, por exemplo, começou a trabalhar na empresa como controller na unidade do Radisson Faria Lima em 2001, passando a gerente de operações e, posteriormente, a gerente geral.

No ano seguinte, ela ficou à frente do Quality Faria Lima e, há uma ano e meio, foi convidada a assumir a gerência dos empreendimentos de Alphaville.

Casos

Cristina Matsumoto é outro exemplo. Como controller, ela trabalhava no Quality Suites Santo André. Após somente seis meses, foi promovida a gerente geral. Em abril de 2004, por sua vez, assumiu a gerência geral do Comfort Suites Oscar Freire.

Vitor Silveira é mais um caso. Ele iniciou em 1999, como supervisor administrativo na unidade de Ribeirão Preto (Sleep Inn) e em seguida alcançou o posto de gerente geral em Bauru. Há um ano, entretanto, ocupa a gerência geral do Quality Moema.