Trabalho: número de terceirizados chega a 10,5 milhões, diz Sindeprestem

Valor corresponde a 2,6% das ocupações terceirizadas do mundo e a 23,9% do total de empregados com carteira assinada do País

SÃO PAULO – O número de empregados terceirizados no Brasil chega a 10,5 milhões – o equivalente a 2,6% das ocupações terceirizadas do mundo. Os dados fazem parte de uma recente pesquisa setorial e foram divulgados pelo Sindeprestem e pela Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário).

De acordo com o levantamento de 2010/2011, o total apresentado corresponde ainda a 23,9% dos empregados com carteira assinada do País – número atualmente estimado em 44 milhões de trabalhadores.

Perfil dos contratados
De acordo com a avaliação de perfil, os contratados do setor de prestação de serviços terceirizáveis costumam receber um salário base de R$ 1.122,00. Ou seja, 33,12% mais que o apresentado no levantamento anterior (2009/2010), quando a remuneração de tais profissionais ficou estimada em R$ 918,00.

PUBLICIDADE

O estudo aponta ainda que, do total das vagas disponíveis, cerca de 14,5% costumam ser preenchidas por pessoas idosas e 11,5% por jovens em situação de primeiro emprego.

Setores em evidência
Já na avaliação setorial, o segmento de trabalho temporário foi o que mais se destacou, sendo responsável por 72,5% da prestação de serviços especializados do País.

Na sequência, estiveram em evidência ainda as consultorias em recursos humanos, com 65%, e os serviços auxiliares, com 55% da frequência.

Setores de AtuaçãoFrequência
Trabalho Temporário72,5%
Consultoria em RH65%
Serviços Auxiliares55%
Controle de Acesso42,5%
Logística22,5%
Estágios17,5%
Promoção e Merchandising12,5%
Bombeiro Civil7,5%
Serviços a Bancos7,5%
Leitura e Entrega de Documentos2,5%
Fonte: 5º Pesquisa Setorial 2010/2011 (Sindeprestem e Asserttem)

Trabalho temporário
De acordo com a pesquisa setorial 2010/2011, a média mensal de empregados no trabalho temporário é de 965 mil trabalhadores – o que representa um crescimento de 7% em relação ao período apurado pela pesquisa anterior (2009/2010).

Do total empregado, 15,5% costumam ser de pessoas da terceira idade e 12% de jovens que estão vivenciando sua primeira experiência profissional. Lembrando que as maiores concentrações de contratações costumam ocorrer entre os meses de abril e maio, quando o número de novos trabalhadores no mercado ultrapassa 1,1 milhão.