Fecomercio-SP

SP: número de funcionários formais no varejo cresce 1,8% em abril

Totalizando 998.100 funcionários formais, o saldo teve acréscimo de 155 trabalhadores, com 49.125 admitidos e 48.970 demitidos no quarto mês de 2013

SÃO PAULO – O comércio varejista da Região Metropolitana de São Paulo registrou crescimento de 1,8% no número de empregados formais no quarto mês do ano, na comparação com o mesmo mês de 2012.

Totalizando 998.100 funcionários formais no varejo, o saldo teve acréscimo de 155 trabalhadores, com 49.125 admitidos e 48.970 demitidos no mês, informou um levantamento realizado pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), com base nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

No primeiro quadrimestre de 2013, foram perdidas 9.007 vagas no comércio, levando em conta o saldo final de empregados. Segundo a entidade, é natural que os empresários do setor se mantenham mais cautelosos ao aumentar investimentos e equipe de funcionários diante de um cenário de baixo crescimento econômico, inflação, redução do nível de consumo das famílias e a perspectiva de aumento nas taxas de juros.

PUBLICIDADE

Considerando apenas o número de admitidos no comércio paulista, foram contratados 184.018 trabalhadores contra 185.016 no mesmo período de 2012, uma queda de 0,5%. Por outro lado, observa-se um aumento no número de demitidos, com 193.025 desligados no primeiro quadrimestre de 2013 ante 186.203 em 2012, um acréscimo de 3,7% no comparativo.

“O emprego no comércio varejista continua crescendo na comparação interanual, porém, a taxas decrescentes”, afirmou a entidade. No entanto, a tendência deve se tornar negativa já a partir do segundo semestre. “Os salários reais também crescem, porém cada vez menos, por conta de uma inflação mais alta que corrói uma parcela maior dos rendimentos. Isso é preocupante, pois gera inquietações por parte dos empresários e dos consumidores, ocasionando-se em uma queda na confiança de ambos.”

Segmentos
De janeiro a abril, quase todos os segmentos registraram retração na contratação de novos funcionários, com exceção de lojas de materiais de construção (1.284), farmácias/perfumarias (636) e lojas de autopeças e acessórios (190), que ajudaram a manter o crescimento no número de empregos formais.