Tempos de crise

Prestação de serviço pode ser uma saída para quem está desempregado

70% dos brasileiros acreditam que o desemprego vai subir, segundo pesquisa do Datafolha

SÃO PAULO – Os brasileiros estão preocupados com o desemprego e a economia do País. Segundo dados divulgados pelo Instituto Datafolha, 70% dos brasileiros acreditam que a taxa de desemprego no Brasil deve subir.

Apenas 10% dos entrevistados têm expectativa de que a taxa sofra um queda e 17% acham que vai ficar como está. Além disso, 58% dos brasileiros, segundo a mesma pesquisa, a situação econômica do País vai piorar. Em junho de 2013, período que antecedia as eleições, essa taxa era de 29%.

Para o economista José Pio Martins, os brasileiros têm razão de ficarem preocupados. Isto porque o número de pessoas desempregadas depende basicamente do volume de produção do País, que vem caindo nos últimos anos. “Como o produto brasileiro vem crescendo pouco, as vagas abertas para contratação seguem diminuindo”, afirma.

PUBLICIDADE

Para ventar passar por esse período de crise, é essencial buscar renda extra, por mais difícil que seja. Segundo o especialista em gestão, marketing e vendas, Daniel Godri Junior, a criatividade pode ajudar muito nessas horas. “O brasileiro, por conta do passado econômico geralmente ruim, acostumou-se a empreender. Por isso, oportunidades sempre existem em períodos bons ou ruins. Nestes momentos mais difíceis devemos deixar florescer nosso lado empreendedor e apostar em negócios próprios como prestar serviços, comprar e vender coisas ou ainda empreender em alguma área”, explica.

Dar aulas, trabalhar com serviços de manutenção, prestar consultorias e abrir um próprio negócio são algumas das alternativas para quem está sem emprego. “Em tempos de crise econômica, normalmente os que saem primeiro não são os piores funcionários, mas aqueles que ganham mais. E geralmente ganha mais porque está há mais tempo na organização e possui cargo de destaque”, afirma Godri, por isso, é importante não levar a demissão como algo pessoal.

Já Martins lembra que as famílias devem se preparar para suportar os momentos difíceis na economia. “O melhor conselho é que busquem sempre construir reservas financeiras para suportar as dificuldades”.