Petrobras confirma roubo de dados; como profissional pode evitar situação?

Vazamento de informações é questão que envolve estratégia empresarial e ética; tome cuidado com documentos importantes

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – No início deste mês, a Petrobras foi alvo de roubo de dados, confirmado pela empresa no dia 14 de fevereiro. A notícia trouxe à tona uma discussão muito importante no mundo corporativo: o vazamento de informações, questão complexa, porque envolve as estratégias de uma empresa e ética profissional.

De acordo com o consultor do IDORT-SP, David Carlessi, o que acontece hoje é que os profissionais mantêm muito contato com as informações de uma empresa, que podem estar diretamente ligadas à estratégia. Por isso, em algumas organizações, quando o indivíduo é contratado, assina um contrato em que é prometido sigilo.

O contrato, porém, esbarra no fato de o profissional ter absorvido tudo o que aprendeu na empresa. “O conhecimento que adquire é seu e você leva-o implícito para o outro emprego”. Por isso, existem pessoas que são vistas como um diferencial de mercado, porque possuem informações estratégicas, e é para encontrá-las que existe o headhunter.

Profissional deve ter cuidado

Aprenda a investir na bolsa

Um comentário inocente que deixa vazar. Um papel na mesa com dados confidenciais que cai nas mãos erradas. Um prestador de serviço que analisa os processos e passa as informações para o concorrente. Quando você menos espera, uma atitude simples acaba por resultar em vazamento de informação.

“Em algumas empresas, se você sai para almoçar e deixa uma gaveta aberta é punido, porque a informação confidencial pode ser encontrada”, afirmou Carlessi. Por isso, veja algumas dicas para evitar a situação:

  • bloqueie o computador, quando sair para o almoço;
  • guarde adequadamente os papéis;
  • tire você mesmo xerox de documentos importantes;
  • em reuniões, cuidado com as pessoas que entram (copeiros, funcionários). Elas podem ouvir trechos da conversa e fazer interpretações erradas;
  • crie níveis de acesso à informação;
  • quando conversar, cuidado com quem está próximo;
  • mesmo na informalidade (happy hour, festa da empresa), tome cuidado com o que fala;
  • cuidado com o descarte de papéis.

Ainda de acordo com Carlessi, as pessoas têm uma noção bastante intuitiva do que é ético ou não, principalmente quando estão passando informações, e devem usar deste sentido, quando forem conversar com outra pessoa. “É ético quando a informação que passa não vai criar problemas para você nem para a empresa com que está lidando”, afirmou, de maneira simplificada.

Ele ainda disse que a empresa tem de conscientizar todos os empregados, dizer as regras éticas, desde os cargos mais baixos até os mais altos. “Porque muitas empresas não deixam claro o que acham ser ético”.

Caso Petrobras

No dia 14 de fevereiro, a assessoria de imprensa da Petrobras confirmou o furto de informações sigilosas, que aconteceu no dia 1º de fevereiro. Por meio de documento à imprensa, foi dito que a informação não estava sob a guarda da empresa e que, então, o roubo era uma “questão policial”.

A PF não descartou nenhuma possibilidade, inclusive a de que o furto esteja ligado à espionagem industrial. Os dados, cujo conteúdo não foi revelado pela empresa, foram roubados enquanto estavam sendo enviados da Bacia de Campos para Macaé, onde fica a superintendência da Petrobras, em um contêiner transportado pela Halliburton, que presta serviços à Petrobras.

PUBLICIDADE

No comunicado da assessoria de imprensa, a estatal não revelou detalhes sobre os dados ou sobre o roubo, mas afirmou que mantém cópias de todas informações furtadas.