Para IBGE, taxa de desemprego foi menor do que a esperada para julho

Segundo o órgão, o desemprego costuma cair entre os meses de maio e agosto, mas ainda não foi o momento de inflexão

SÃO PAULO – Para o coordenador da Pesquisa Mensal do Emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Cimar Azeredo, o desemprego no País, no mês de julho, foi menor do que o previsto. No sétimo mês do ano, o desemprego registrou a menor taxa para o mês desde 2002.

“Havia uma expectativa de queda, mas isso não se confirmou nos dados da pesquisa. O desemprego costuma cair entre os meses de maio e agosto, mas ainda não foi o momento de inflexão. Houve um aumento de 86 mil pessoas ocupadas em relação a junho e uma redução de 32 mil pessoas desocupadas, mas isso não foi significativo a ponto de reduzir a taxa”, disse, segundo a Agência Brasil.

Papel da indústria
Sobre o desemprego nos próximos meses, o especialista acredita que a indústria será a responsável por puxar a queda. Segundo Azeredo, a expectativa é que o setor comece a ligar as turbinas para aumentar o parque de produção para escoar até o fim do ano. 

PUBLICIDADE

“Houve pequenos pontos de aumento em algumas regiões em meses anteriores, mas em julho não há nenhum movimento visível nesse sentido”, afirmou.

No total, existem 1,4 milhão de pessoas à procura de emprego no país. Já a população ocupada somou 22,5 milhões de pessoas no mês. De acordo com ele, apesar de o mercado não ter sido capaz de absorver essa mão de obra, gerando a expansão no número de postos de trabalho que se esperava, a qualidade do emprego melhorou.