Operação

MTE deve usar biometria para o pagamento de seguro-desemprego

Sistema já está implantado nos estados de Alagoas e Sergipe pelo Tribunal Superior Eleitoral

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Para combater as fraudes com o Seguro-Desemprego, com prejuízos estimados em R$ 30 milhões, o MTE (Minsitério do Trabalho e Emprego) está priorizando a implantação da biometria, que visa a identificação do beneficiário do programa.

“A coisa mais importante e que é uma orientação do ministro Brizola Neto, é a implantação da biometria. Esperamos que, num prazo de dois anos, o pagamento do seguro-desemprego seja feito através do reconhecimento da identificação biométrica”, ressaltou o secretário de Políticas Públicas de Emprego em exercício do MTE, Rodolfo Torelly.

A intenção do MTE é usar a biometria em postos de atendimento para cadasatrar os trabalhadores. O ministério informa que o sistema já está implantado nos estados de Alagoas e Sergipe pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

PUBLICIDADE

Monitoramento do trabalhador
O MTE tem feito ações para o monitoramento do trabalhador. Todo segurado que dá entrada no seguro-desemprego pela terceira vez, em um prazo de dez anos, é obrigado a fazer um curso de qualificação profissional.

“Desta forma, estamos agindo no combate forte à quadrilha e no monitoramento positivo do trabalhador. Queremos empregar o trabalhador e para isso, vamos qualificar”, afirmou Torelly.

Operação Chakal
O delegado da Policia Federal e coordenador da Operação Chakal, que desarticulou na quarta-feira uma quadrilha que fraudava o Seguro-Desemprego, Ricardo Carriel de Oliveira, disse que o número de empresas flagradas no inicio dos trabalhos, eram cinco, passando para 150 e hoje, são 287 .

A operação foi realizada nas cidades de São Paulo, e de Ribeirão Preto (SP), Jaboticabal (SP), Catalão (GO) e Gurupi (TO). Segundo Carriel a quadrilha trabalhava em escala empresarial. “Muita coisa era feita pela internet, sem que conseguíssemos, no primeiro momento, identificar o responsável. Encontramos também indivíduos com vários documentos e a mesma fotografia”, explicou o delegado.