Mercado de trabalho permanece aquecido: vagas aumentaram 10,33%

São Paulo tem o destaque regional, com 31%, e os Engenheiros se sobressaíram entre as áreas, com 29,08%

SÃO PAULO – Pesquisa da Ricardo Xavier Recursos Humanos destacou que o mercado de trabalho permanece aquecido neste fim de ano. Em setembro, o número de empregos criados cresceu 10,33% na comparação com o mesmo período do ano passado. No total, foram criadas 3.184 vagas em todo o Brasil.

As consequências da crise dos EUA parecem estar longe de atingir o mercado de trabalho e investimentos nacionais. Inclusive, na comparação com agosto, quando a cise já ocorria, o aumento foi de 6,63%.

“Com a crise, as empresas e os fundos de investimento estão se empenhando mais em ações que envolvem os Brics e o Brasil se beneficia disso”, aponta o presidente da Ricardo Xavier, Hélio Terra.

Comparação regional

PUBLICIDADE

A pesquisa abrange os estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do sul, Paraná e Rio de Janeiro.

Dentre esses, o que mais se destacou em setembro foi São Paulo, com 31% dos postos criados, sendo que 13% desses foram em Campinas e outros 7% em São José dos Campos.

Em seguida, vieram os estados do RJ (17%), PR (10%), BA (8%) e o RS que, juntamente com MG, obteve 7% do total.

Postos de trabalho em cada área

As dez áreas que mais abriram vagas em setembro foram:

ÁreaParticipação
Engenharia13%
Comercial/Vendas11%
Tecnologia da Informação5%
Industrial4%
Recursos Humanos6%
Setor Financeiro5%
Contábil5%
Administrativa5%
Outras áreas47%

Fonte: Ricardo Xavier Recursos Humanos

Engenharia em destaque

Os engenheiros são os primeiros colocados na lista de profissionais mais procurados. Foram 926 posições, totalizando 29,08% de participação total.

Dentre as especialidades da área, destacaram-se a Engenharia Mecânica (8,76%), Elétrica e Eletrônica (4,59%) e de Produção (3,07%).

Os profissionais formados em Administração de Empresas também foram muito solicitados para 641 vagas (20,13%). Em seguida, ficaram os Contadores, com 12%; os Economistas, com 7,91%; e os Publicitários, com 3,10%.